Proteção de dados. CNPD contra isenção de coimas para Estado

  • ECO
  • 7 Abril 2018

A presidente da Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) não entende porque é que o Estado deve ficar isento de coimas na aplicação da nova lei, isenção que consta da proposta do Governo.

A proposta do Governo para a aplicação da nova lei europeia sobre a proteção de dados prevê que as administrações públicas estejam isentas de coimas em caso de infração durante três anos. Uma isenção que não é entendida pela presidente da Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD), Filipa Galvão, que espera que isso seja “corrigido” no Parlamento.

Ressalvando que não está a falar em nome da CNPD, Filipa Galvão considera que não existe razão para diferenciar as entidades públicas das privadas. Em entrevista ao Dinheiro Vivo este sábado, a presidente da CNPD afirma que “não se consegue perceber qual é a razão desta diferenciação”. “O princípio da igualdade, previsto na nossa Constituição, justificaria a mesma medida para todos”, defende Galvão.

Em causa está a proposta de lei aprovada em Conselho de Ministros que prevê a isenção de coimas para o Estado em caso de infração — algo que deve ser reapreciado após os três anos. É o tempo do Estado se organizar para o “novo paradigma”, defendeu a ministra da Presidência, Maria Manuel Leitão Marques. “Este regulamento foi sobretudo pensado para as grandes empresas multinacionais para quem os dados pessoais são, no fundo, o seu negócio”, argumentou a ministra, assinalando que o Estado não usa os dados “como negócio”.

O princípio da igualdade, previsto na nossa Constituição, justificaria a mesma medida para todos.

Filipa Galvão

Presidente da Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD)

Filipa Galvão espera que esta opção do Executivo seja corrigida no Parlamento. A presidente da CNPD argumenta que esta possibilidade de isenção para o setor público faz sentido em Estados “onde não há tradição de aplicar o regime de proteção de dados ou sanções aos organismos públicos”, o que não é o caso de Portugal. “Em Portugal há 20 anos que temos este regime: os organismos públicos estão todos sujeitos à proteção de dados, à exceção dos tribunais, e sujeitos à aplicação de sanções“, assinala.

Outro dos fatores apontados pelo Governo para a isenção são os custos administrativos. A ministra da Presidência e da Modernização Administrativa prevê que o impacto seja “fortíssimo” em termos de custos administrativos de “centenas de milhões” tanto para as empresas como o Estado.

Uma ideia corroborada por Filipa Galvão que admite que “as obrigações implicam alguns custos“, nomeadamente mais um vencimento para quem tiver de ter um encarregado de proteção de dados. As mais afetadas serão as micro e as pequenas empresas, diz, referindo que “as maiores já estão habituadas a cumprir a lei de proteção de dados”.

Ao contrário do setor público, o privado ficará já sujeito a coimas até 20 milhões de euros ou 4% do volume de negócios anual da companhia. “O quadro sancionatório é um bocadinho assustador, percebo que as empresas estejam assustadas“, classifica, referindo que “o legislador europeu entendeu que esta matéria era para ser levada a sério”. “As sanções maiores estão pensadas para todo o espaço europeu, portanto para grande empresas que têm um lucro elevado e que fazem lucro com dados pessoais, explica, assinalando que em Portugal serão adaptadas à dimensão das empresas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Proteção de dados. CNPD contra isenção de coimas para Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião