Lula negoceia entrega à justiça este sábado

  • Lusa
  • 7 Abril 2018

Para a defesa de Lula da Silva, o mandado de detenção decretado não era impositivo. Apoiantes defendem que não há "nenhum descumprimento da sentença do mandado de prisão".

O ex Presidente do Brasil Lula da Silva deverá entregar-se este sábado à justiça, findo o prazo decretado pelo juiz que ordenou a prisão, noticia o jornal Folha de São Paulo.

De acordo com o jornal, Lula deverá entregar-se-á à Polícia Federal depois da missa em honra da mulher, Marisa Letícia, que morreu no ano passado.

Lula não se entregou no prazo estabelecido pelo juiz Sérgio Moro, até às 17:00 de sexta-feira, permanecendo na sede do Sindicato dos Metalúrgicos. O juiz afirmou que está “vedada a utilização de algemas” em qualquer hipótese, escreve o Folha.

O Globo, por seu lado, dá conta de negociações entre a defesa do ex-presidente e as autoridades brasileiras, noticiando que Lula pode ser preso este sábado. Outra alternativa, afirma o Globo, é Lula ser levado para Curitiba na segunda-feira.

Lula fica no sindicato à espera de ser detido

A presidente do Partido dos Trabalhadores (PT) afirmou esta sexta-feira que o ex-Presidente brasileiro Lula da Silva vai permanecer no prédio do Sindicato dos Metalúrgicos, em são Bernardo do Campo, à espera de ser detido pelas autoridades.

Queria deixar claro que não há, por parte do Presidente Lula nenhum descumprimento da sentença do mandado de prisão exarado pelo juiz Sérgio Moro”, afirmou a senadora Gleisi Hoffmann aos jornalistas, comentando o fim do prazo da intimação judicial para se entregar às autoridades. Eleita pelo Paraná, o mesmo estado onde está Sérgio Moro, o juiz que coordena a maior parte das operações judiciais de investigação ao caso Lava Jato, Gleisi Hoffmann explicou que, para a defesa de Lula da Silva, o mandado de detenção decretado não era impositivo.

Lula da Silva “tinha a opção dada pelo juiz de ir até Curitiba e não exerceu esta opção”, optando por “estar aqui num sindicato e num lugar público”, disse a líder do PT. “Muitas pessoas sabem onde ele está” e “ele aqui permanecerá junto com a militância” e os seus apoiantes, assegurou a apoiante. Nas próximas horas, a senadora explicou que será celebrada uma missa no sindicato em homenagem à mulher do ex-Presidente, Marisa Letícia Lula da Silva, que faria 67 anos no sábado.

Fontes da assessoria do ex-Presidente não confirmaram se Lula da silva iria falar aos apoiantes. O clima no local é de tensão e os apoiantes pedem a Lula da Silva para não se entregar. A defesa de Lula da Silva tinha inicialmente apresentado um ‘habeas corpus’ junto do Supremo Tribunal Federal (STF) que foi recusado na quarta-feira pela maioria dos 11 juízes do tribunal.

Hoje, a defesa intentou um novo ‘habeas corpus’ que foi também chumbado. O antigo chefe de Estado brasileiro foi condenado a 12 anos e um mês de prisão, em regime fechado, no Tribunal Regional da 4.ª Região (TRF4, segunda instância) em janeiro.

A prisão do ex-chefe de Estado está relacionada com um dos processos da Operação Lava Jato, o maior escândalo de corrupção do Brasil. Lula foi condenado por ter recebido um apartamento de luxo como suborno da construtora OAS em troca de favorecer contratos com a petrolífera estatal Petrobras. A execução provisória da pena não deverá impedir juridicamente a candidatura presidencial de Lula da Silva, à frente nas sondagens para as eleições de outubro.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lula negoceia entrega à justiça este sábado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião