TAP cancelou 44 ligações de e para Lisboa entre sábado e hoje

  • Lusa
  • 9 Abril 2018

A companhia aérea não dá esclarecimentos e apresenta apenas "sinceras desculpas" aos passageiros afetados.

A transportadora aérea TAP somou 44 cancelamentos de e para o aeroporto de Lisboa entre as 22:00 de sábado e as 13:00 desta segunda-feira, segundo os registos na página da ANA-Aeroportos de Portugal.

Segundo a contabilidade feita pela Lusa, nas chegadas houve 26 cancelamentos para Lisboa, incluindo voos da Madeira, cidades europeias, brasileiras e de Moscovo e Darkar, enquanto as falhas nas partidas somam 18 ligações também para diversos locais do mundo.

A Lusa aguarda por esclarecimentos sobre as dezenas de cancelamentos da companhia, cuja página da rede social Facebook soma várias queixas de passageiros que garantem não ter recebido informações sobre as ligações não efetuadas. Por parte da companhia, as respostas dadas na mesma rede referem “sinceras desculpas” e, em alguns casos, referidos links para apresentação de reclamações.

A imprensa tem referido “razões operacionais” para estes cancelamentos.

Já esta segunda-feira, o PSD pediu a audição, no Parlamento, da administração da TAP para dar explicações sobre os cancelamentos de voos e o CDS-PP quer ouvir o ministro do Planeamento, com a área dos transportes. Em declarações à Lusa, o deputado Paulo Neves, do PSD, considerou “completamente inadmissível” a situação dos atrasos, nomeadamente para as regiões autónomas, da Madeira e dos Açores, prejudicando milhares de pessoas.

O CDS-PP também quer levar a questão à Assembleia da República e, como o PSD, quer uma audição na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, mas do ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques.

No sábado, o Governo Regional da Madeira manifestou o seu desagrado junto das companhias aéreas TAP e easyJet, as únicas que operam regularmente na região, devido ao “cancelamento sucessivo” de voos nos últimos dias, informou o vice-presidente do executivo.

Pedro Calado reconheceu que o cancelamento de voos tem ocorrido por motivos operacionais das duas companhias, mas considerou importante também manifestar o desagrado uma vez que a Madeira, como região insular, está totalmente dependente das ligações aéreas.

No dia 4 de abril, o acionista da transportadora Humberto Pedrosa referiu serem “naturais” os cancelamentos e rejeitou uma relação com “possíveis greves”.

“Que eu saiba, não temos nenhuma greve de pilotos prevista. É natural que existam cancelamentos de voos nesta altura. No período da Páscoa há muito movimento. Temos tido problemas de congestionamento em outros aeroportos e isso gera atrasos e algumas vezes cancelamentos”, disse o empresário Humberto Pedrosa.

No final de março, o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) tinha apelado aos pilotos da para pedirem o gozo de folgas em atraso, para além de não aceitarem voos em dias de folgas e de férias, como “forma de pressão” junto da transportadora aérea.

Na mesma altura, a TAP garantia que iria indemnizar os passageiros afetados por atrasos ou cancelamento de voos, depois de a Deco referir estar a receber vários pedidos de informação.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TAP cancelou 44 ligações de e para Lisboa entre sábado e hoje

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião