Moody’s muda perspetiva do Brasil de negativa para estável

  • ECO e Lusa
  • 10 Abril 2018

Quem vencer as eleições presidenciais em outubro terá de cumprir o teto para os gastos públicos, o que levará o próximo Governo a fazer as necessárias reformas estruturais, defende a Moody's.

A agência de notação financeira Moody’s mudou na segunda-feira a perspetiva do Brasil de negativa para estável, esperando que o próximo Governo aprove reformas estruturais necessárias para estabilizar a dívida a médio prazo, noticiou a Bloomberg.

De acordo com a agência financeira, esta mudança de perspetiva assenta também na expectativa de crescimento da economia brasileira acima do esperado a curto e médio prazo, apoiadas por reformas estruturais, que irão sustentar os esforços de consolidação orçamental.

A agência manteve o rating de Ba2 para o Brasil, que reflete a força do crédito, e estima que o país registe um crescimento médio de 2,8% entre 2018 e 2019 e de 2,5% nos anos seguintes.

Em declarações à Bloomberg, a analista sénior da Moody’s Investors Service, Samar Maziad, que segue a economia brasileira, afirmou que quem vencer as eleições presidenciais em outubro terá de cumprir o teto para os gastos públicos, o que levará o próximo Governo a fazer as necessárias reformas económicas.

“O momento para a continuação das reformas e a recuperação económica até agora são os principais elementos” para a perspetiva do Brasil ter sido revista de negativa para estável, afirmou numa entrevista telefónica. Maziad considerou ainda que o custo de não fazer reformas será muito alto para a confiança dos investidores e o crescimento, pelo que o cenário da Moody’s é de que o próximo Governo não vai pretender falhar.

“Há um consenso sobre a necessidade de reforma. É por isso que achamos que irá continuar. É também uma exigência”, acrescentou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moody’s muda perspetiva do Brasil de negativa para estável

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião