Fitch baixa ‘rating’ do Brasil

  • Ana Batalha Oliveira
  • 23 Fevereiro 2018

A Fitch considera que o Brasil deve crescer 2,6%, em média, neste e no próximo ano, depois de ter assistido a uma expansão económica de 1% no ano passado, segundo a Bloomberg.

A agência de notação financeira Fitch desceu o ‘rating’ do Brasil para BB-, citando “elevados e persistentes” défices orçamentais, a crescente dívida pública e a falta de reformas estruturais, e reviu a Perspetiva de Evolução económica para Estável.

A Fitch considera que o Brasil deve crescer 2,6%, em média, neste e no próximo ano, depois de ter assistido a uma expansão económica de 1% no ano passado, noticia a agência de informação financeira Bloomberg.

A descida na avaliação da qualidade do crédito brasileiro surge poucos meses antes das eleições presidenciais de outubro e reflete “os persistentes e elevados défices orçamentais“, para além de um grande e crescente peso da dívida e o falhanço nas reformas que poderiam melhorar o desempenho estrutural das finanças públicas.

Os analistas citam também a falta de votação da reforma da segurança social, uma das áreas geralmente apontadas como mais importantes para ajudar a relançar a economia e reduzir a despesa pública. A descida do Brasil para três níveis abaixo da recomendação de investimento, ou ‘lixo’, como é normalmente conhecido, segue o exemplo da Standard & Poor’s, em janeiro.

Segundo uma fonte das Finanças contactada pela Bloomberg, o Governo já esperava uma descida do ‘rating’ atribuído pela Moody’s e pela Fitch, faltando agora apenas a avaliação da Moody’s sobre a qualidade do crédito brasileiro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fitch baixa ‘rating’ do Brasil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião