Galp reforça no Brasil. Soma duas plataformas à exploração

  • Ana Batalha Oliveira
  • 20 Fevereiro 2018

"Vamos ser muito seletivos nas operações de investimento e rigorosos na forma como alocamos o capital", garantiu o CEO, Carlos Gomes da Silva, durante a apresentação de resultados aos investidores.

Eram sete as plataformas petrolíferas que a Galp Energia tinha em operação no Brasil. Em 2018, passam a nove — e já está agendada a participação da energética em dois leilões no mesmo país. Os planos para Moçambique a para as renováveis estão ainda numa fase muito inicial.

“Vamos ser muito seletivos nas operações de investimento e rigorosos na forma como alocamos o capital”, garantiu o CEO, Carlos Gomes da Silva, durante a apresentação de resultados aos investidores. “Não estamos ansiosos de conseguir mais projetos para a nossa empresa“, diz, sublinhando o foco em aumentar o número de barris a partir das localizações já em atividade.

Em 2018, o Brasil vai reforçar a produção nas áreas de Lula Extensão Sul, Lula Norte, Berbigão/Sururu, com estas duas últimas a entrarem em atividade pela primeira vez este ano. Em março, a Galp vai participar num leilão no qual com o objetivo de conquistar 70 novos blocos em 8 bases diferentes deste país. O segundo leilão está marcado para junho, e nele a empresa vai reclamar cinco blocos de exploração pré-sal. Um terceiro concurso ainda está por confirmar.

Em Angola, é na região de Kaombo Norte, mais precisamente no Bloco 32, que a Galp espera crescer durante este ano. A exploração em Mamba, Moçambique, só deverá começar em 2025, embora seja destacado como chave para aproveitar as oportunidades de mercado que a Galp prevê. No continente africano, outro dos investimentos previstos é “o reforço da capacidade logística“, anuncia ainda Carlos Gomes da Silva, embora preveja que este movimento pese muito significativamente nas contas da empresa.

O negócio das energias renováveis também acusa uma fase bastante prematura, e ficará em suspenso até ao início da próxima década. “Deveremos começar pela Península Ibérica”, afirmou o CEO, justificando com as horas de sol e uma tecnologia que se está a desenvolver “muito, muito rapidamente”. No dia anterior à apresentação, soube-se que Galp Energia avançou com um pedido de licenciamento da sua primeira central fotovoltaica, em S. Teotónio, concelho de Odemira, com uma capacidade de produção de seis megawatts (MW).

Em 2018, a energética prevê um crescimento da produção de 15 a 20%, mantendo o intervalo anunciado no ano anterior. O CEO afirma ainda que “o portefólio atual assegura o crescimento da produção a longo prazo”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galp reforça no Brasil. Soma duas plataformas à exploração

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião