490 milhões de euros de pagamentos em atraso resolvidos, garante Centeno

O ministro das Finanças revelou esta quarta-feira que 490 milhões de euros dos pagamentos em atraso já estão resolvidos.

Mário Centeno garantiu esta quarta-feira que já foram utilizados 490 milhões de euros do montante de 500 milhões de euros do reforço de capital nos hospitais realizado no final de 2017 para reduzir o fardo de pagamentos em atraso que se acumularam no setor público. Numa audição no Parlamento sobre o tema, o ministro das Finanças garantiu que o tema está a ser levado com “seriedade”.

Dos 500 milhões de euros já foram utilizados 98% [490] na primeira semana de abril“, revelou Mário Centeno, em resposta às acusações do PSD e do CDS, os partidos que chamaram o ministro das Finanças ao Parlamento. O ministro das Finanças afirmou que “a verdadeira reversão deste Governo foi a reversão dos cortes na saúde“. Centeno avançou ainda que, dos 1.400 milhões de euros anunciados para o setor, 900 milhões de euros já estão no capital dos hospitais.

Na nota sobre a execução orçamental de fevereiro, o Ministério das Finanças avançava em março que “antecipa-se uma forte redução deste valor [de pagamentos em atraso] já que até ao dia 23 foram pagos mais de 323 milhões de euros, financiados pelo reforço de capital nos Hospitais E.P.E. realizado no final de 2017″. Na primeira semana de abril, segundo as informações reveladas agora por Centeno, esse montante subiu para 490 milhões de euros.

Anteriormente, o ministro da Saúde tinha prometido que no primeiro trimestre vai ser atingido “o valor mais baixo de sempre de pagamentos em atraso no Serviço Nacional de Saúde”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

490 milhões de euros de pagamentos em atraso resolvidos, garante Centeno

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião