PS vai votar contra projeto do Bloco sobre reformas antecipadas

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 11 Abril 2018

Projeto do Bloco de Esquerda para avançar com segunda fase das mudanças nas reformas antecipadas é discutida esta quarta-feira no Parlamento. PS e PSD votam contra.

O Parlamento discute esta quarta-feira o projeto de lei do Bloco de Esquerda que pretende forçar segunda fase de mudanças nas reformas antecipadas, mas a intenção não será acompanhada pelo PS.

Fonte da bancada socialista disse ao ECO que o PS vai votar contra o projeto dos bloquistas. A iniciativa do BE pretende eliminar o “fator de sustentabilidade para os beneficiários com idade igual ou superior a 63 anos e que, aos 60 anos, tenham pelo menos 40 anos civis com registo de remunerações relevantes para o cálculo da pensão”, concretizando a “segunda fase da revisão do regime de reformas antecipadas por flexibilização”. O PSD também votará contra, avança a Lusa.

De acordo com o Jornal de Negócios, o Governo já fez chegar aos partidos que o apoiam a sua proposta para alargar o fim dos cortes nas pensões antecipadas para carreiras longas e os prazos previstos estão longe das expectativas do BE e PCP, que querem maior celeridade no processo.

O Governo chegou a apresentar aos parceiros sociais um calendário que previa três fases para as mudanças na reforma antecipada e o Bloco entende que o compromisso não está a ser cumprido. Na exposição de motivos do projeto de lei, o BE aponta para um documento do Governo que remetia a segunda fase para 1 de janeiro de 2018, abrangendo então pessoas com 63 anos de idade e que, aos 60, já contavam 40 de descontos. Já a terceira fase deveria abranger “trabalhadores entre os 60 e os 62 anos que aos 60 tinham pelo menos 40 anos de descontos”, recorda.

A primeira fase já está no terreno desde outubro, eliminado cortes para carreiras muito longas. Porém, esse mesmo diploma antecipa apenas uma “segunda fase”, abrangendo beneficiários com 60 anos e carreiras contributivas iguais ou superiores a 40 anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS vai votar contra projeto do Bloco sobre reformas antecipadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião