Quedas dos CTT e da Sonae arrastam Lisboa para as perdas

A bolsa de Lisboa está a cotar no vermelho, com o PSI-20 a recuar 0,40%. A pesar no desempenho do índice estão as quedas dos CTT e das cotadas da família da Sonae.

A bolsa de Lisboa arrancou esta sessão a perder, um desempenho influenciado pelas quedas da Sonae e da empresa dos correios. O setor energético também arrastou o PSI-20 para as quedas, no dia em que apenas quatro cotadas nacionais estão a valorizar.

O principal índice bolsista nacional está a perder 0,40% para 5.443,93 pontos. O pior desempenho desta manhã pertence aos CTT, cujos títulos caem 3,41% para os 3,00 euros. Outro dos destaques desta sessão são as cotadas da família Sonae: a Sonae SGPS recua 0,54% para 1,10 euros, e a Sonae Capital desce 0,62% para os 0,96 euros, num movimento de correção após os ganhos acentuados na sessão de terça-feira, na sequência da uma nota de research do BPI.

O setor energético mantém-se num cenário misto, com a EDP a deslizar 0,03% para os 3,15 euros, a EDP Renováveis a recuar 0,50% para os 7,97 euros e a REN a cair 0,47% para os 2,54 euros. Por sua vez, a Galp mantém-se em terreno positivo, com os títulos a subirem 0,37% para os 16,21 euros, no dia em que o barril de Brent, negociado em Londres, cai 0,03% para os 72,03 euros.

De entre as 18 cotadas nacionais, sete estão a negociar no verde, com destaque para a Mota Engil que regista a maior subida: 2,29% para os 3,35 euros. Os títulos do banco liderado por Nuno Amado valorizam 0,40% para os 0,27 euros, assim como a Pharol que sobe 0,24% para os 0,21 euros.

Nas restantes praças europeias o sentimento é, para já, misto. Um dia depois de Donald Trump ter ameaçado a Rússia com o envio de mísseis para a Síria e de, horas mais tarde, a Casa Branca ter desmentido esse ataque, os investidores começaram a mostrar sinais de confiança. O Stoxx 600 recua 0,01% para 376,17 pontos, o espanhol Ibex-35 cai 0,05% para 9.731,2 pontos e o italiano FTSE desliza 0,09% para 7.250,62 pontos.

(Notícia atualizada)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quedas dos CTT e da Sonae arrastam Lisboa para as perdas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião