Rui Rio já tem governo-sombra. Vinhas da Silva e Todo Bom ficam com a Economia

O Conselho Estratégico Nacional do PSD será liderado por David Justino e composto por 16 áreas setoriais. A primeira reunião deverá ser a 21 de abril, em Coimbra.

Já está oficializado o governo-sombra do PSD. Rui Rio apresentou, esta tarde, a composição do Conselho Estratégico Nacional, que será liderado por David Justino e contará com 16 áreas setoriais. Na área económica e financeira, o professor universitário Rui Vinhas da Silva será o coordenador da pasta da Economia, Trabalho e Inovação, que terá Luís Todo Bom como porta-voz. Álvaro Almeida, tal como já tinha sido noticiado pelo ECO, ficará com a pasta das Finanças Públicas. Entre as 16 áreas setoriais, quatro serão lideradas por mulheres. A média de idades dos coordenadores é de 60 anos.

O Conselho Estratégico Nacional do PSD será liderado por David Justino, que terá três adjuntos: António Leitão Amaro, Bruno Coimbra e Paula Reis. Haverá também um comissão consultiva, cuja composição ainda não está definida. “As pessoas da comissão consultiva ainda não estão convidadas. Temos uma lista de pessoas, mas ainda não estão contactadas”, afirmou Rio.

Vários dos nomes apresentados esta tarde por Rui Rio são de antigos membros de governos do PSD. Questionado, Rui Rio acredita que, mesmo assim, há uma renovação do partido. “Há aqui uma renovação. A renovação que aqui há é a capacidade de conjugarmos a experiência, o saber e as ponderações com a vontade e dinâmica própria de quem é mais jovem. Uma sociedade constrói-se assim, com a experiência acumulada de quem já viveu as situações e a vontade dos mais jovens”, disse o líder social-democrata. A média de idades dos coordenadores é de 60 anos e a dos porta-vozes é de 45 anos.

A composição do Conselho Estratégico Nacional já está, entretanto, disponível no site do PSD, com as respetivas notas biográficas de cada um dos elementos. Cada uma das 16 áreas estratégicas terá um coordenador e um porta-voz, listados como se segue.

  • Relações Externas: Tiago Moreira de Sá e Diana Soller
  • Assuntos Europeus: Isabel Meirelles e Mara Ribeiro Duarte
  • Defesa Nacional: Ângelo Correia e Jorge Neto
  • Finanças Públicas: Álvaro Almeida Joaquim Sarmento
  • Reforma do Estado e Descentralização: Álvaro Amaro e João Paulo Barbosa de Mello
  • Segurança Interna e Proteção Civil: José Matos Correia e José Manuel Moura
  • Justiça, Cidadania e Igualdade: Licínio Lopes Martins e Mónica Quintela
  • Infraestruturas e Coesão do Território: Falcão e Cunha e Vladimiro Feliz
  • Economia, Trabalho Inovação: Rui Vinhas da Silva e Luís Todo-Bom
  • Agricultura, Alimentação e Florestas: Arlindo Cunha e João Paulo Gouveia
  • Ambiente, Energia e Natureza: Ana Isabel Miranda e Salvador Malheiro
  • Assuntos do Mar: Regina Salvador e Cristóvão Norte
  • Solidariedade e Bem-estar: Silva Peneda e António Tavares
  • Saúde: Luís Filipe Pereira e Ricardo Baptista Leite
  • Educação, Cultura, Juventude e Desporto: David Justino e Cláudia André
  • Ensino Superior, Ciência e Tecnologia: Maria da Graça Carvalho e Filipa Roseta

Este conselho deverá reunir-se, pela primeira vez, no dia 21 de abril, em Coimbra. Nessa reunião, deverão ser definidas algumas metas e prazos, mas Rui Rio refere que não há ainda um prazo para a definição do programa eleitoral do PSD.

Notícia atualizada pela última vez às 17h43.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rui Rio já tem governo-sombra. Vinhas da Silva e Todo Bom ficam com a Economia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião