PS já respondeu ao Bloco. Projeto de resolução contra o défice de 0,7% “parte de um equívoco”

  • Rita Atalaia
  • 13 Abril 2018

O PS já respondeu ao projeto de resolução do BE contra a nova meta do défice. Galamba afirma que é tudo um "equívoco" porque pressupõe que haverá mais sacrifícios e esforço de consolidação orçamental.

O PS já respondeu ao projeto de resolução do BE contra a nova meta do défice de 0,7%, contra os 1,1% do Orçamento do Estado para 2018. João Galamba afirma que é tudo um “equívoco” porque pressupõe que são exigidos mais sacrifícios. “Acontece exatamente o oposto”, garante o deputado socialista.

“O projeto de resolução [anunciado por Mariana Mortágua] parte de um equívoco porque pressupõe que as metas mais baixas do défice implicam sacrifícios maiores e esforço maior de consolidação”, afirma João Galamba depois de o Governo ter apresentado o Programa de Estabilidade.

O deputado socialista explica que acontece exatamente o oposto. “Toda a redução do défice em 2018 é exclusivamente explicada pela redução da despesa com juros“, diz João Galamba, acrescentando que o “défice de 2017 foi muito baixo e superou as metas, mas não há nenhum esforço de consolidação orçamental este ano. É o oposto”.

O Bloco de Esquerda anunciou que vai avançar na próxima semana com um projeto de resolução contra a nova meta do défice. A decisão foi anunciada por Mariana Mortágua, que deixou críticas à decisão “unilateral” do Governo de alterar a meta do défice deste ano para 0,7% face aos 1,1% que ficaram definidos no Orçamento do Estado para 2018.

O Programa de Estabilidade 2018-2022 traz uma visão mais otimista do Governo em relação ao desempenho da economia nos próximos anos. O Executivo estima que o défice recue para 0,7% do PIB em 2018, tal como o ECO avançou. Em 2020, as contas públicas são mesmo positivas: haverá um excedente de 0,7%.

(Notícia atualizada às 21h42 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS já respondeu ao Bloco. Projeto de resolução contra o défice de 0,7% “parte de um equívoco”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião