Uma década depois, grupo TAP volta a dar lucro

  • ECO
  • 16 Abril 2018

A TAP SGPS apresentou lucros de 21,2 milhões de euros no ano passado. Só o negócio da aviação triplicou os resultados, ultrapassando os 100 milhões.

Fernando Pinto já tinha deixado a pista, ainda antes de abandonar o cargo de presidente executivo da TAP. O relatório e contas do grupo relativo ao ano passado vem agora confirmar que o grupo TAP SGPS, a casa mãe que engloba a companhia aérea, voltou a apresentar lucros, depois de uma década de prejuízos. O negócio da manutenção e engenharia continua a dar prejuízo, mas a aviação foi suficiente para compensar.

O relatório é revelado, esta segunda-feira, pelo Jornal de Negócios (acesso pago), que dá conta de que a TAP SGPS alcançou lucros pela primeira vez desde 2007, reportando um resultado líquido de 21,2 milhões de euros no ano passado, contra os prejuízos de 27,7 milhões em 2016.

A contribuir para este resultado esteve o negócio da aviação. A TAP S.A., que controla companhia aérea, obteve um lucro de 100,4 milhões de euros no ano passado, o triplo dos lucros 33,5 milhões que tinham sido registados em 2016. Já a TAP Manutenção e Engenharia Brasil continua a pesar sobre as contas e registou prejuízos de 50,1 milhões, um agravamento face às perdas de 31,9 milhões de 2016.

Esta “significativa melhoria” dos resultados fica a dever-se ao “forte comportamento do mercado observado no início de 2017, que permaneceu praticamente o mesmo ao longo do ano, sustentado por uma retoma generalizada das condições económicas”, aponta a TAP no relatório.

Em sentido contrário, o aumento dos preços do petróleo fez aumentar os custos com os combustíveis de 433,8 milhões em 2016 para 580,2 milhões em 2017.

Ainda assim, o resultado operacional do grupo atingiu os 106,8 milhões de euros em 2017, mais 93,8 milhões do que os 13 milhões registados no ano anterior. Já as receitas operacionais subiram mais de 600 milhões, para um total de 2.977 milhões de euros.

Também a dívida melhorou, diminuindo de 642 milhões para 582,4 milhões no ano passado. Isto depois de, em junho de 2017, ter sido assinado, com vários bancos, um acordo de adaptação e monitorização do passivo financeiro do grupo TAP, que envolveu uma reestruturação da dívida.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uma década depois, grupo TAP volta a dar lucro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião