Partidos deixam de ter teto na angariação de fundos a partir de amanhã

Nova lei do financiamento partidário traz o fim dos limites à angariação de fundos por parte dos partidos. Mas mantém-se o regime de reembolso de IVA atualmente em vigor.

A nova lei do financiamento partidário já foi publicada em Diário da República. O diploma, que vem acabar com os limites à angariação de fundos por parte dos partidos, entra em vigor já na sexta-feira, dia 20 de abril.

A lei esteve envolta em polémica e chegou mesmo a ser vetada por Marcelo Rebelo de Sousa, que considerou não haver “fundamentação publicamente escrutinável quanto à mudança introduzida no modo de financiamento dos partidos políticos”. Em causa estavam, sobretudo, dois pontos da nova lei: o fim dos limites à angariação de fundos e a isenção de IVA para todas as despesas feitas pelos partidos.

A lei acabou por ser alterada e aprovada de novo no Parlamento, com os votos favoráveis do PS, PSD, PCP e BE. Mas só houve uma alteração face à versão inicial: a isenção total de IVA foi retirada, mantendo-se a versão atual da lei, em que é reembolsado apenas o IVA cobrado sobre despesas com campanhas eleitorais.

De resto, mantiveram-se todas as alterações, incluindo o fim do teto às angariações. Até agora, as receitas de angariação de fundos não podiam exceder, anualmente, por partido, 1.500 vezes o valor do Indexante de Apoios Sociais, deixando agora de haver qualquer limite.

O Presidente da República aceitou a nova versão da lei, ainda que com uma “objeção de fundo” ao fim dos limites à angariação de fundos.

O diploma agora publicado em Diário da República vem alterar quatro leis: a da Organização, Funcionamento e Processo do Tribunal Constitucional, a Lei dos Partidos Políticos, a Lei do Financiamento dos Partidos Políticos e das Campanhas Eleitorais e a Lei de Organização e Funcionamento da Entidade das Contas e Financiamentos Políticos.

A presente lei entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação“, determina o diploma.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Partidos deixam de ter teto na angariação de fundos a partir de amanhã

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião