Paula Amorim diz que mercado imobiliário ainda não atingiu o pico

A filha de Américo Amorim diz que os preços do imobiliário nacional deverão continuar a subir nos próximos dois anos. Revelou ainda um investimento de seis milhões num clube privado com restaurante.

A empresária portuguesa Paula Amorim considera que o mercado imobiliário de Lisboa ainda não atingiu o pico. Em entrevista à Bloomberg (conteúdo em inglês), a acionista da Galp Energia acredita que ainda demorará cerca de dois anos até os preços dos imóveis pararem de subir, ao mesmo tempo que destacou o aumento do interesse dos investidores internacionais no mercado nacional.

Não considero que o mercado tenha atingindo o pico“, começou por dizer a filha de Américo Amorim. Paula Amorim refere mesmo que “ainda levará cerca de dois anos até os preços dos imóveis pararem de subir. Há muitos estrangeiros de olho no mercado português“. A empresária, uma das donas do império Amorim, revela ainda a vontade de reforçar o investimento no comércio online no futuro, por considerar que este “é um enorme desafio, que pode até tornar-se uma ameaça caso nada seja feito”.

Paula Amorim é proprietária da holding Amorim Luxury, que detém as marcas Fashion Clinic e o franchising da italiana Gucci em Portugal. Para o início do próximo ano, tenciona investir cerca de seis milhões de euros num espaço que vai combinar retalho, um restaurante e um clube privado. Com este novo projeto, a empresária espera arrecadar 46 milhões de euros em vendas, revelou à Bloomberg.

Detém ainda o franchising da Ladurée, uma conhecida pastelaria de luxo francesa, foi fundada por Louis Ernest Ladurée em 1862, em Paris, e que abriu portas em Lisboa, na Avenida da Liberdade, em outubro de 2017. O grupo Amorim Luxury detém ainda o restaurante JNcQuoy, também na Avenida da Liberdade, que segundo alguns críticos, ao fim de seis meses já era tido como “um dos espaços mais atrativos de Lisboa”.

Referindo o aumento da procura por investidores internacionais, Paula Amorim adiantou que as lojas Fashion Clinic, em Lisboa, atraem clientes maioritariamente “brasileiros, franceses, chineses e angolanos”. Relativamente à marca Tom Ford, da qual é acionista e membro do Conselho de Administração, a filha de Américo Amorim sublinhou o desejo de a ver “crescer” e, “um dia”, que possa “ter uma Oferta Pública Inicial”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Paula Amorim diz que mercado imobiliário ainda não atingiu o pico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião