Proprietários e inquilinos preferem “esperar para ver” concretização das novas políticas de habitação

  • Lusa
  • 23 Abril 2018

Inquilinos estão satisfeitos com o "reequilíbrio de direitos" entre senhorios e arrendatários. Proprietários criticam "regresso ao congelamento de rendas".

Proprietários e inquilinos afirmaram, esta segunda-feira, ser “inegável” que as intenções do Governo com a Nova Geração de Políticas de Habitação “são ótimas”. No entanto, preferem “esperar para ver” como será concretizada na prática.

“Não há dúvida nenhuma de que acabamos de assistir a um repositório de boas intenções, isso é inegável. Mas, na prática, as coisas não são bem assim”, declarou à agência Lusa o presidente da Associação Nacional de Proprietário (ANP), António Frias Marques, no final da apresentação do pacote legislativo do atual Governo para o setor da Habitação.

Com uma posição semelhante, o presidente da Associação de Inquilinos Lisbonenses (AIL), Romão Lavadinho, disse que os novos programas apresentados na área da Habitação, “na generalidade, são positivos”, concluindo que “resta saber se a prática vai demonstrar isso, porque muitas vezes o que se anuncia, na prática, não corresponde”.

“Fiquei satisfeito com um dos pontos em que coloca o reequilíbrio entre os direitos dos inquilinos e dos proprietários”, indicou à Lusa Romão Lavadinho, manifestando-se ainda a favor da medida que impede os arrendatários com mais de 65 anos ou com mais de 60% de incapacidade serem despejados quando termina o prazo do contrato de arrendamento.

Outra das medidas que satisfaz os inquilinos é que o valor da taxa sobre o rendimento dos arrendatários passe de 28% para 14% para arrendamentos de duração de mais de 10 anos e de 10% para arrendamentos de duração de mais de 20 anos, referiu o responsável da AIL, alertando, porém, que “é preciso clarificar que esses valores devem corresponder a valores de rendas acessíveis e não de rendas especulativas”.

De acordo com o representante dos inquilinos, muitas das medidas apresentadas pelo Governo correspondem a reivindicações da AIL para acabar com o arrendamento precário, “que hoje é precaríssimo”. “Saio satisfeito, porque de facto bem alterar aquilo que tem sido a situação atual, que é precariedade, despejos constantes, não respeito pelas pessoas”, frisou Romão Lavadinho.

Para o representante dos proprietários, a Nova Geração de Políticas de Habitação, “a ser concretizada, é a maior operação de reconstrução do país depois do Marques de Pombal”. “Vamos ver, vamos aguardar para ver efetivamente. A tónica está posta na reabilitação e está posta no arrendamento e a meta é muito ambiciosa, a meta está fixada em 2024. Em 2024 espera-se que haja casa para todos, com rendas acessíveis, vamos esperar para ver”, afirmou António Frias Marques, advogando que os proprietários “são uma parte indispensável desta equação”.

Neste sentido, a associação ANP está disponível para “envidar todos os esforços para que se concretize esta operação” da Nova Geração de Políticas de Habitação.

Com uma posição mais reivindicativa, a Associação Lisbonense de Proprietários (ALP) disse, em comunicado, que as novas políticas se traduzem num “regresso ao congelamento de rendas e aos contratos vitalícios para inquilinos com idade superior a 65 anos, e uma falta de ambição e irrealismo no que diz respeito ao pacote fiscal de incentivo ao arrendamento habitacional de longa duração anunciado”.

“O Governo insiste na fórmula do lançamento de medidas incendiárias e semeia o pânico junto dos proprietários de imóveis colocados no mercado de arrendamento, anunciando, com muita vaguidade, o regresso aos contratos vitalícios dos inquilinos que tenham mais de 65 anos ou 60% de incapacidade”, defendeu a ALP, apelando a uma clarificação do conceito de “contratos com um número significativo de anos” a que se vão aplicar estas medidas.

Sobre a proposta de uma redução da taxa liberatória de IRS dos rendimentos prediais dos atuais 28% para os 14% nos contratos de duração superior a 10 anos e de 10% no caso dos contratos com vigência de 20 anos, a associação de proprietários crê que a medida é “irrealista”, pelo que “não vai ter qualquer acolhimento por parte dos proprietários”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Proprietários e inquilinos preferem “esperar para ver” concretização das novas políticas de habitação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião