Autarquias vão poder furar limites de endividamento para combater carências de habitação

A proposta para a Lei de Bases da Habitação prevê a "flexibilização dos limites de endividamento" dos municípios, para "assegurar a capacidade de resposta às situações de carência habitacional.

O Partido Socialista defende que as autarquias possam furar os limites de endividamento fixados na Lei das Finanças Locais quando seja preciso dar resposta a carências habitacionais. Esta é uma das medidas que constam da proposta para a Lei de Bases da Habitação, apresentada esta semana pela deputada Helena Roseta, autora da proposta.

A medida surge no âmbito das políticas públicas de habitação, onde se prevê a “possibilidade de flexibilização dos limites de endividamento” dos municípios. “Com vista a assegurar a capacidade de resposta municipal às situações de carência habitacional, a capacidade de endividamento dos municípios estipulada na Lei das Finanças Locais pode ser majorada, na sequência da aprovação de uma deliberação fundamentada no âmbito do Programa Local de Habitação”, pode ler-se no documento.

A Lei das Finanças Locais determina que a dívida total de operações orçamentais de cada município, incluindo a dívida relevante de entidades participadas pelo município, não pode ultrapassar, em 31 de dezembro de cada ano, 1,5 vezes a média da receita corrente líquida cobrada nos três exercícios anteriores. Assim, por exemplo, para calcular o limite para o ano de 2017, terá de ser apurada a média da receita corrente líquida cobrada nos exercícios de 2014 a 2016.

A lei prevê já três operações excecionais, que não são contabilizadas para o cálculo do limite da dívida: empréstimos destinados a financiar a recuperação de infraestruturas municipais afetadas por situações de calamidade pública; empréstimos destinados ao financiamento da contrapartida nacional de projetos apoiados por fundos europeus; e o montante referente à contribuição do município para o capital do Fundo de Apoio Municipal.

Para além disso, o Orçamento do Estado para 2018 já majorou até 30% o limite de endividamento municipal desde que se trate, exclusivamente, de empréstimos para financiamento de operações de reabilitação urbana.

Este é, também, um pedido já feito pela Câmara Municipal de Lisboa à Assembleia da República. Numa reunião que decorreu na semana passada, o executivo de Fernando Medina aprovou uma moção que, entre outros aspetos, pede ao Parlamento que “legisle no sentido de o investimento na habitação pública ser excecionado dos limites de endividamento do município, quer se trate de reabilitação ou aquisição“.

Lisboa será, de resto, um dos municípios que mais poderá recorrer a este mecanismo, caso a medida venha a ser aprovada. O município de Lisboa não ultrapassa os limites de endividamento, mas registou sempre, nos últimos anos, um montante de dívida superior à média das receitas dos três anos anteriores. Foi só em 2017 que o município conseguiu registar, pela primeira vez, uma média da receita corrente dos últimos três anos superior à dívida, que atualmente totaliza 472 milhões de euros, enquanto as receitas ascendem a 718 milhões de euros.

Por outro lado, Lisboa é uma das zonas do país onde as carências habitacionais são mais graves. Segundo os censos de 2011, do Instituto Nacional de Estatística, mais de 7% dos 52.696 edifícios do município de Lisboa estavam degradados nesse ano.

Ao todo, em Portugal, havia, em 2016, 33 municípios que ultrapassavam o limite da dívida, segundo o Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses. Mas havia cerca de 70 municípios que, não ultrapassando os limites, apresentavam sinais de alerta precoce, isto é, que registavam um valor de dívida total igual ou superior às receitas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Autarquias vão poder furar limites de endividamento para combater carências de habitação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião