Salários da administração do BCP disparam. Amado recebe 631 mil

  • ECO
  • 23 Abril 2018

Terminada a ajuda estatal, a remuneração dos membros do conselho de administração do BCP disparou para mais de 3,7 milhões de euros.

Devolvida a ajuda estatal, o Banco Comercial Português (BCP) deixou para trás o travão à remuneração dos seus gestores. Os membros do conselho de administração do banco auferiram um total de 3,78 milhões de euros, com Nuno Amado a ficar com a maior “fatia”. Face ao ano anterior houve um forte aumento, de mais de 80%, mas também houve mais um salário a ser pago, o de João Palma.

Os administradores do banco tinham tido um corte médio de 22% na remuneração em resultado do empréstimo estatal, através de CoCo’s, concedido em 2012. Com o aumento de capital de 2016, o banco conclui o reembolso dessa ajuda que custou mil milhões de euros em juros aos cofres do banco liderado por Nuno Amado.

Com a ajuda paga, acabou-se o travão às remunerações. E no ano passado os valores auferidos pelos administradores aumentaram de forma expressiva. O “bolo” aumentou em 81,7%, sendo que a explicar este forte crescimento está também o aumento do número de administradores, com a entrada de João Palma em janeiro de 2017 (mas apenas remunerado a partir de abrir de 2017). Só este administrador recebeu 371 mil euros.

João Palma recebeu menos que os 441 mil euros pagos a outros quatro administradores, embora estes sejam vogais e não vice-presidentes da comissão executiva. Os outros dois “vices” receberam, cada um, 504,8 mil euros. Um deles é Miguel Maya que deverá suceder a Nuno Amado na liderança executiva da instituição.

Amado, que passará para chairman do BCP depois da assembleia geral que vai ter lugar a 30 de maio, recebeu a maior “fatia” do bolo de 3,78 milhões de euros. O ainda presidente executivo do banco recebeu 631 mil euros durante o ano passado, de acordo com a informação enviada pelo banco à CMVM. Deste valor, o BCP reteve 282,2 mil euros em IRS.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Salários da administração do BCP disparam. Amado recebe 631 mil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião