BCP adia assembleia geral eletiva da nova administração para 30 de maio

  • ECO
  • 23 Abril 2018

O Banco Comercial Português tinha previsto realizar a reunião magna a 15 de maio. A eleição da nova administração foi, agora, adiada para dia 30.

O Banco Comercial Português (BCP) decidiu adiar a assembleia geral de acionistas. Inicialmente estava prevista para acontecer a 15 de maio, mas a administração propôs uma nova data para a votação por parte dos investidores. A reunião onde será votada a nova administração terá, agora, lugar a 30 de maio.

“O Conselho de Administração do BCP hoje reunido, deliberou solicitar ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral a convocação da Assembleia Geral Anual do Banco para o próximo dia 30 de maio, pelas 14h30, no Edifício 8 do TagusPark, Porto Salvo”, refere o comunicado enviado à CMVM.

O banco liderado por Nuno Amado não aponta qualquer razão para o adiamento face à data indicativa de 15 de maio. Contudo, sabe o ECO, em causa está a aprovação dos novos nomes para o conselho de administração que têm ainda de receber “luz verde” por parte do Banco Central Europeu (BCE).

O regulador dos bancos da Zona Euro, o BCE, recebeu a lista da nova composição da administração no final de março. Ao contrário do que era pretensão da Fosun e da Sonangol, em vez de 19 administradores, o banco terá 17, com Miguel Maya a passar a CEO e Nuno Amado a chairman, substituindo António Monteiro.

Para desempenharem estas funções, Maya e Amado vão contar com o apoio de uma equipa que terá no máximo 17 gestores: seis executivos e 11 não executivos. Antes, o conselho de administração tinha 23 membros.

Na comissão executiva, Maya vai ter na sua equipa Miguel Bragança, José Miguel Pessanha, Rui Teixeira, João Nuno Palma e, mais recentemente, Maria José Barreto de Campos, no quadro do banco desde 1999.

(Notícia atualizada às 19h32 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP adia assembleia geral eletiva da nova administração para 30 de maio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião