Hoje nas notícias: Rendas, rendas e rendas, Segurança Social, Kamov e precaridade nas low-cost

  • ECO
  • 24 Abril 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

Os jornais desta manhã são dominados pelo pacote legislativo da Nova Geração de Políticas de Habitação, apresentado esta segunda-feira pelo primeiro-ministro, António Costa. O novo programa de arrendamento prevê benefícios fiscais para os contratos de longa duração. Os reformados não foram também esquecidos, com os inquilinos idosos a terem acesso a arrendamento vitalício. Ainda a marcar o dia estão os dias agitados da aviação civil, com as low-cost a dominarem as atenções. E ainda o facto de o Governo querer que os anos de serviço militar obrigatório passe a contar para a carreira contributiva. Entretanto, um sondagem põe a nu a visão dos portugueses sobre os serviços públicos. Os tribunais são os piores, e as escolas lideram o ranking dos melhores serviços. Os Kamov continuam parados, e o juiz Ivo Rosa, no caso da Sonangol, arrasa com o Ministério Público.

Serviço militar obrigatório facilita acesso à pensão na Segurança Social

O Governo quer que os anos de serviço militar obrigatório (que acabou em 2004) passem a contar para a carreira contributiva, quando até agora só influenciavam o valor das pensões. Segundo avança o Público (acesso condicionado), esta terça-feira a medida consta da proposta de Decreto-Lei de Execução Orçamental que determina que os anos de serviço militar obrigatório sejam tidos em conta na contabilização da carreira contributiva e dos prazos de garantia dos trabalhadores que descontam para o regime geral da Segurança Social.

Governo não vai ter Kamov apesar de já ter pago o seu arranjo

Apesar de o Estado já ter pago os arranjos que faltavam para os Kamov voltarem a descolar, tal não deve acontecer. A Autoridade Nacional de Aviação Civil não vai dar autorização de voo aos Kamov se os congéneres russos não se responsabilizarem e estes não o fazem. Em causa, segundo escreve o Público (acesso condicionado) estão peças que podem chegar aos 300 mil euros.

Sonangol. Juiz arquiva e arrasa preconceitos do MP contra Angola

A ligação feita pelo Ministério Público (MP) entre os crimes e o facto de os beneficiários serem angolanos, no caso Sonangol, foi criticada pelo juiz Ivo Rosa. O jornal i, avança na edição desta terça-feira, que o juiz arquivou e arrasa com os preconceitos do MP. Segundo aquele jornal o juiz terá considerado que a acusação usa “fórmulas vagas, imprecisas e obscuras”.

Metade dos pilotos das low cost são precários

A aviação vive dias agitados com Lisboa a ser palco, esta terça-feira, de uma reunião dos sindicatos europeus que representam os tripulantes de cabine para debaterem as condições de trabalho, escreve o Jornal de Notícias (acesso pago), na edição desta terça-feira. Enquanto isso, dados da European Cockpit Association indicam que só cerca de metade dos pilotos a trabalhar nas companhias de aviação low-cost é que pertencem aos quadros das empresas. Em cima da mesa poderá ser acordada uma greve europeia na Ryanair.

 

 

Escolas são o melhor serviço público e tribunais os piores

Uma sondagem da Aximagem, citada esta terça-feira pelo Jornal de Negócios (acesso pago) põe a nu como os portugueses vêm os serviços públicos. As escolas são as mais bem classificadas, ex quo com os registos e notariado, angariando 12 valores em 20. Um em cada três portugueses consideram que as escolas prestam serviço “bom” ou “muito bom”, com apenas 14% a considerarem como “mau” o trabalho das escolas. Em sentido contrário aparecem os tribunais, que merecem uma avaliação negativa dos portugueses, com apenas oito valores. Quatro em dez portugueses consideram “mau” ou “muito mau” o trabalho dos tribunais e só um em dez faz uma avaliação positiva. Também com nota negativa (nove valores) aparecem os centros da Segurança Social.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Rendas, rendas e rendas, Segurança Social, Kamov e precaridade nas low-cost

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião