Draghi: Abrandamento económico foi “inesperado”, mas perspetiva é sólida

O presidente do BCE diz que o abrandamento registado na Zona Euro no início do ano poderá ser uma consequência natural, depois de um crescimento sustentado nos trimestres anteriores.

Tal como previsto, o BCE manteve a sua política de estímulos nesta quinta-feira. Ao comentar o abrandamento económico registado na Zona Euro no início deste ano, Mario Draghi disse, contudo, ter sido “inesperado” o resultado alcançado em alguns indicadores. Uma surpresa que, no entanto, não invalida que o Banco Central Europeu (BCE) tenha uma perspetiva sólida relativamente ao rumo da economia da Zona Euro.

“Os indicadores económicos sugerem certa moderação no ritmo de crescimento desde o início o ano”, começou por dizer o presidente do BCE, na conferência de imprensa que se seguiu à divulgação da decisão do BCE. Mas logo de seguida, o responsável pelo banco central justificou que “essa moderação pode, em parte, refletir uma queda do elevado ritmo de crescimento observado no final do ano passado”, falando assim numa “esperada normalização”. Referiu ainda o eventual impacto negativo em termos temporais, como o tempo frio ou greves em alguns dos Estados Membro.

Se, de alguma forma, Mario Draghi parece desvalorizar a desaceleração económica registada no espaço do euro no arranque do ano, disse que a entidade que lidera tem de olhar com “cautela” para os números antes de decidir sobre uma eventual alteração do programa de estímulos monetários. O responsável máximo do BCE disse, aliás, que a política monetária não foi um tema que tenha estado em cima da mesa na reunião de governadores dos bancos centrais da Zona Euro desta quinta-feira.

“O que é interessante é que não discutimos a política monetária por si“, afirmou Mario Draghi. “A razão para não discutirmos é que a leitura do início do ano é muito importante para decidir ações futuras. Precisamos de entender o que aconteceu: se é permanente ou pontual”, justificou, quando confrontado pelos jornalistas.

Mas a confiança no rumo da economia do espaço do euro não parece ter ficado abalada. “A força inerente da economia da Zona Euro continua a suportar a nossa confiança de que a inflação irá convergir rumo ao nosso objetivo de inferior, mas próximo de 2% no médio prazo”.

Ameaça do protecionismo “mais proeminente”

Antes de ser questionado pelos jornalistas presentes na conferência de imprensa, durante a declaração inicial, Mario Draghi afirmou que os riscos relacionados com a ameaça do protecionismo se tornaram “mais proeminentes”. Disse ainda que a imposição de tarifas por parte dos EUA aos produtos europeus “até agora não parece substancial”, mas que o impacto da retaliação pode ter um impacto negativo na confiança”. Este efeito negativo na confiança “pode afetar o outlook de crescimento”, acrescentou.

Relativamente à conquista de terreno do euro face ao dólar, Mario Draghi diz que foi outro dos assuntos que não esteve em cima da mesa na reunião de governadores desta quinta-feira.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Draghi: Abrandamento económico foi “inesperado”, mas perspetiva é sólida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião