Cativações asfixiam entidades reguladoras

  • ECO
  • 27 Abril 2018

Cerca de 12 milhões de euros foram cativados aos reguladores em 2017. E este ano voltaram a ser confrontados com o mesmo procedimento por parte do Ministério das Finanças.

Cerca de 12 milhões de euros foram cativados aos reguladores em 2017. E este ano voltaram a ser confrontados com o mesmo procedimento por parte do Ministério das Finanças. Segundo o Jornal de Negócios (acesso pago), há quem antecipe cativos mais elevados devido ao decreto-lei de execução orçamental, que foi aprovado em Conselho de Ministros esta quinta-feira.

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT), Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR) e Entidade Reguladora da Saúde (ERS) garantem que as cativações que lhes foram aplicadas põem em causa o funcionamento interno e as atividades planeadas. A AMT e ERSAR ainda foram autorizadas a descativar parte da verba, de 2,9 milhões e 594 mil euros, respetivamente. Já a ERS não obteve resposta do Ministério das Finanças.

O regulador das comunicações adiantou ao Negócios que a entidade descativou as verbas no sistema de gestão orçamental da Direção-Geral do Orçamento. Por outro lado, a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) não foi objeto de cativações ao seu orçamento este ano, depois de 900 mil euros no ano passado.

O impacto das cativações na atividade dos reguladores foi sentida tanto a nível de ações de fiscalização que ficaram por fazer, pelo adiamento do recrutamento de funcionários e ao não terem dinheiro para pagar salários e rendas. As entidades prometem não ficar paradas. A ERSAR revelou que tem agendada uma reunião com o Ministério do Ambiente, pretendendo depois fazer um pedido de descativação.

A AMT também tenciona “alertar as instâncias competentes para todos os condicionalismos”. Isto enquanto a ERS enviou logo nos primeiros dias do ano um ofício ao Ministério das Finanças, reiterando a sua discordância quanto à aplicação de cativos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cativações asfixiam entidades reguladoras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião