Cativações de Centeno ao nível das de Gaspar e Albuquerque. As contas são do Conselho das Finanças Públicas

A análise do Conselho das Finanças Públicas (CFP) à política orçamental de 2017 mostra um Mário Centeno mais parecido com os antecessores. É esse o caso nas cativações, mas também no saldo estrutural.

Mário Centeno ficou, em 2017, mais parecido com Vítor Gaspar e Maria Luís Albuquerque. É isso que fica visível na análise ao défice de 2017 do Conselho das Finanças Públicas (CFP) divulgada esta terça-feira. Para a entidade liderada por Teodora Cardoso houve uma “alteração de postura” da política orçamental. Uma das semelhanças passa pelo nível de cativações finais, que regressou aos valores dos anos de ajustamento. E o saldo estrutural melhorou um ponto percentual, redução semelhante à conseguida em 2014.

“O esforço orçamental realizado revela uma alteração de postura da política orçamental em 2017”, afirma o Conselho das Finanças Públicas na Análise da Conta das Administrações Públicas 2017, assinalando que Mário Centeno assumiu uma “postura restritiva e contracíclica“. Em termos simples, o CFP diz que numa altura em que a economia evoluiu de forma positiva, a execução orçamental foi conservadora.

Para o CFP, “esta alteração de postura da política orçamental sugere a retoma do processo de consolidação estrutural das finanças públicas interrompido em 2014“, traçando semelhanças entre o que está agora a fazer o ministro das Finanças e o que fizeram os seus antecessores. Tais parecenças encontram-se na redução do saldo estrutural, na redução do défice, no nível de cativações e no cumprimento das regras europeias em 2017, pelo menos numa análise preliminar do Conselho.

Depois de em 2016 ter sido altamente criticado pelo nível de cativações, Mário Centeno foi menos castrador. Apesar de os cativos iniciais atingirem o valor mais alto dos últimos anos (1,88 mil milhões de euros), os cativos finais ficam ao nível do que se registou nos anos do programa de ajustamento. Ou seja, o ministro das Finanças abriu mão de grande parte da despesa cativada. A poupança acabou por ser de 510 milhões de euros, com destaque para a aquisição de bens e serviços.

Este valor corresponde a 27,1% do total de cativos iniciais, sendo em termos relativos o mais baixo dos últimos anos: no último triénio os cativos finais ascenderam a metade dos cativos iniciais, em média”, explica o CFP, destacando que, em termos absolutos, os cativos finais de 2017 ficaram em linha com os valores registados nos anos de 2014 (566 milhões de euros) e 2015 (522 milhões e euros), mas bastante abaixo dos 941 milhões de euros registados em 2016.

O dobro do ajustamento

No ano passado, Mário Centeno conseguiu reduzir o dobro do défice que tinha conseguido em 2016. “Em termos ajustados, em 2017, verificou-se uma intensificação do ritmo de correção do desequilíbrio orçamental, uma vez que a melhoria de 1,6 pontos percentuais do PIB correspondeu a mais do dobro da verificada em 2016 em relação ao ano anterior”, explica o Conselho das Finanças Públicas.

Como se chegou a este défice? Existem três efeitos: o efeito do ciclo económico (0,6 pontos percentuais), as medidas do Governo (0,6 pontos percentuais) e o efeito da redução dos juros (0,3 pontos percentuais).

Em termos estruturais, o CFP estima que o défice estrutural tenha sido de 1% do PIB no ano passado, uma redução de um ponto percentual — a mesma marca alcançada por Maria Luís Albuquerque em 2014. É neste ponto que existe uma maior semelhança entre os dois.

Ambos os indicadores estão em cumprimento das regras europeias, segundo o CFP, ressalvando que falta ainda a avaliação da Comissão Europeia “para analisar a compatibilidade da melhoria do saldo estrutural com uma trajetória sustentável da despesa”. Essa avaliação será conhecida em maio.

Ainda assim, o Conselho conclui que “esta evolução garante não apenas o cumprimento da regra geral de melhoria anual do saldo estrutural previsto na Lei de Enquadramento Orçamental (0,5% do PIB), como também o estabelecido no Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC), contribuindo para garantir um progresso suficiente no cumprimento do critério da dívida”.

(Notícia atualizada ás 13h17 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cativações de Centeno ao nível das de Gaspar e Albuquerque. As contas são do Conselho das Finanças Públicas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião