PCP: “O critério do défice deve ser afastado das prioridades políticas”

Os comunistas garantem que vão continuar a "marcar a sua posição" não em função do défice, "mas em função das necessidades do povo português".

O PCP não revela se vai acompanhar o Bloco de Esquerda na apresentação de um projeto de resolução contra o Programa de Estabilidade, mas também é claro quanto à rejeição deste documento. “O critério do défice das contas públicas deve ser afastado das prioridades políticas do nosso país“, resumiu Vasco Cardoso, da comissão política do PCP.

As metas que o Governo adota neste documento, “da sua exclusiva responsabilidade, quanto ao défice e à dívida, travam a resposta necessária aos problemas com que o país é confrontado, da escola pública, da saúde, do investimento público, da contratação de trabalhadores, do investimento na cultura, na defesa e da promoção da produção nacional”, disse o dirigente comunista, em declarações transmitidas pela RTP 3.

Estas são, para o PCP, “opções que se afastam do caminho de reposição de rendimentos” que o partido defende e que está previsto no programa de Governo. De resto, o PCP já se tinha demarcado do Programa de Estabilidade, guardando o período de negociações para o Orçamento do Estado para 2019.

Vasco Cardoso salientou ainda que “devem ser os interesses nacionais, e não o critério do défice, a definir a resposta a ser dada aos problemas do país“. “Não identificamos esse rumo na proposta que o Governo apresentou”, acrescentou.

O comunista garante também que o partido vai continuar “a intervir neste processo, sendo certo que o PCP marcou, marca e marcará a sua posição não em função do défice e das contas públicas, mas em função das necessidades do povo português“.

Isto porque, diz, o “critério do défice como elemento de aferição das respostas necessárias ao país” deve ser afastado. “A questão decisiva que se coloca é não subordinar o país ao critério do défice quando é necessário investimento público. O critério do défice das contas públicas deve ser afastado das prioridades políticas do nosso país”, concluiu.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PCP: “O critério do défice deve ser afastado das prioridades políticas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião