BE alerta Centeno para não imitar Gaspar e Maria Luís com o “papão” do défice

  • Lusa
  • 14 Abril 2018

"Estrangular o SNS, em nome de décimas de défice, que significam ir além dos compromissos com Bruxelas, é repetir os piores erros de Vítor Gaspar e Maria Luís Albuquerque", diz Catarina Martins.

A líder do BE, Catarina Martins, avisou este sábado o ministro das Finanças para o risco de estar a reeditar os erros dos antecessores do Governo PSD/CDS-PP, ao ir além das metas do défice fixadas com as entidades europeias.

A dirigente bloquista, durante uma conferência nacional sobre o Serviço Nacional de Saúde (SNS), em Lisboa, defendeu a necessidade urgente de maior investimento no setor, sublinhando as folgas orçamentais que têm vindo a acontecer. “Estrangular o SNS, em nome de décimas de défice, que significam ir além de todos os compromissos com Bruxelas, é repetir os piores erros de Vítor Gaspar e Maria Luís Albuquerque. O que o país precisa é de se preparar para o futuro, saber que tem um SNS que responde ao que a população necessita”, afirmou.

Estrangular o SNS, em nome de décimas de défice, que significam ir além de todos os compromissos com Bruxelas, é repetir os piores erros de Vítor Gaspar e Maria Luís Albuquerque. O que o país precisa é de se preparar para o futuro, saber que tem um SNS que responde ao que a população necessita.

Catarina Martins

Dirigente do Bloco de Esquerda

Catarina Martins citara palavras da véspera de Mário Centeno, aquando da apresentação do Programa de Estabilidade, no qual o Governo do PS reviu o objetivo do défice para 2018 de 1,1% para 0,7%, e apelou ao responsável pela tutela para “não repetir os erros do passado” e dizer que “pode vir aí o papão”, esclarecendo que a sua “exigência de investimento” não se confunde com “exigência despesista ou que ponha em causa o equilíbrio do país”.

O BE não tem nenhuma obsessão com as metas do défice nem a discussão interminável sobre elas com o ministro Mário Centeno“, disse, adiantando que, “em 2017, as contas públicas acabaram o ano com 1.300 milhões de euros de margem face às metas de consolidação do défice acordadas com Bruxelas”, uma “folga do Governo para investir”, mas verificou-se um “veto de gaveta” quando são precisos “800 milhões de euros para substituir material obsoleto”.

Os bloquistas apresentaram um anteprojeto para uma nova Lei de Bases da Saúde, que querem em discussão pública e debatida no Parlamento até junho, abertos a contributos de outros quadrantes. “Seguramente, todos em Portugal queremos tomar decisões sólidas e sabemos que muitos erros foram efetuados no passado, mas depois de dez anos sem investir no SNS, deixando material obsoleto e unidades de saúde degradarem-se, o mais arriscado de tudo é manter o subfinanciamento e continuar a negar os investimentos essenciais ao funcionamento do SNS”, insistiu Catarina Martins.

O projeto de diploma do BE, segundo o deputado Moisés Ferreira, visa defender o SNS, separar de vez o setor público do setor privado, nomeadamente no que toca às Parcerias Público-Privadas, e possibilitar a dedicação exclusiva dos diversos profissionais à missão de serviço público, com as devidas remunerações.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BE alerta Centeno para não imitar Gaspar e Maria Luís com o “papão” do défice

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião