Governo confirma défice de 0,7% em 2018. Vê excedente de 0,7% em 2020

Programa de Estabilidade 2018-2022 incorpora maior otimismo do Governo em relação à economia. Défice cairá para 0,7% do PIB este ano. E haverá excedente orçamental de 0,7% em 2020, estima o Executivo.

Aí está o Programa de Estabilidade 2018-2022. O documento traz uma visão mais otimista do Governo em relação ao desempenho da economia nos próximos anos. O Executivo estima que o défice recue para 0,7% do PIB em 2018, tal como o ECO avançou. Em 2020, as contas públicas são mesmo positivas: haverá um excedente de 0,7%.

O plano, que já foi entregue no Parlamento, detalha as previsões macroeconómicas do Governo nos próximos quatro anos e meio e as metas com as quais se compromete com Bruxelas. E espera-se que Portugal venha a apresentar uma evolução positiva neste período. A economia vai continuar a crescer a um bom ritmo, sempre acima de 2%. Ao mesmo tempo, o saldo orçamental, que se prevê deficitário em 0,7% do PIB este ano, vai passar a excedente a partir de 2020 — ainda antes, em 2019, ano de eleições legislativas, o défice previsto será de 0,2%.

Uma certeza fica da evolução orçamental prevista para este ano: Mário Centeno mantém a meta do défice de 0,7% em 2018 sem ceder aos partidos de esquerda que apoiam a solução do Governo PS e que pretendiam que o Executivo usasse a folga orçamental conseguida com a boa performance em 2017 para reforçar o financiamento aos serviços do Estado.

Na conferência de imprensa de apresentação do Programa de Estabilidade, o ministro das Finanças respondeu ao desagrado dos parceiros de Governo, lembrando que “o trajeto que Portugal tem percorrido não é de despesismo”, mas também não é de “austeridade”. Admitiu que “há sempre alternativas”, mas frisou que há escolhas que são um regresso ao passado.

“Não temos a memória curta”, disse, referindo que sabe quanto custou aos portugueses sair desse “pesadelo”. “Não seguirei esse caminho”, precisou Centeno.

Portugal atinge excedentes a partir de 2020

Em relação aos compromissos com Bruxelas, o Governo diz no documento que “o Programa de Estabilidade cumpre com os compromissos de redução do défice estrutural e da dívida pública assumidos por Portugal e transmitidos aos parceiros europeus”.

Economia a crescer, desemprego e dívida a baixar

Importante para o desempenho orçamental será o andamento da economia. E aqui o Governo antecipa alguma estabilidade no ritmo de crescimento dentro do período projetado: a riqueza produzida no país crescerá sempre a taxas superiores a 2%.

Até 2020, o PIB registará uma expansão de 2,3% ao ano. Desacelera ligeiramente para 2,2% em 2021 e para 2,1% em 2022.

A melhoria da atividade económica terá reflexos no mercado de trabalho. O ano de 2018 terminará com uma taxa de desemprego de 7,6%, que baixará progressivamente até aos 6,3% em 2022.

No que toca à dívida pública, a tendência de descida vai continuar. Partindo de uma dívida pública de 122,2% do PIB em 2018, Portugal chegará a 2020 com uma queda de mais 20 pontos percentuais.

(Notícia atualizada às 21h02)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo confirma défice de 0,7% em 2018. Vê excedente de 0,7% em 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião