Portugueses colocam mais dinheiro à ordem e menos a prazo

Montante colocado em contas à ordem atingiu um novo máximo histórico em março. São quase 49 mil milhões de euros, mais de um terço do total dos depósitos dos portugueses.

Os portugueses preferem cada vez mais ter o dinheiro na conta à ordem do que aplicado em depósitos a prazo. Em março, o valor aparcado nas contas à ordem atingiu um novo máximo histórico, grande parte à custa da redução do valor depositado a prazo onde é cada vez mais difícil rentabilizar as poupanças.

Dados divulgados, nesta segunda-feira, pelo Banco Central Europeu mostram que os portugueses tinham um total de 142.824 milhões de euros em depósitos bancários, 48.650 milhões de euros dos quais em contas à ordem. Trata-se de um recorde histórico em termos absolutos, mas também em proporção do “bolo” total dos depósitos.

Depósitos à ordem em níveis recorde

Fonte: BCE

Desde janeiro de 2003, período a que remonta o início do histórico da entidade liderada por Mario Draghi, que não existia tanto dinheiro parado à ordem. Grande parte desse aumento resultou da transferência de valores aplicados em depósitos a prazo que encolheram 97 milhões de euros, para se situarem em 93.767 milhões de euros no final de março. Daí resulta que no final do primeiro trimestre deste ano, mais de um terço do dinheiro depositado nos bancos — 34,06% — estivesse em contas à ordem. Trata-se da proporção mais elevada do histórico do BCE.

Na fraca atratividade da remuneração oferecida pelos bancos para os depósitos a prazo reside grande parte da justificação para essa realidade. Neste sentido, as famílias preferem ter o dinheiro com fácil acesso na conta à ordem do que a prazo, mas a render muito pouco.

Os últimos dados disponibilizados pelo BCE, relativos a fevereiro, mostram que as aplicações em novos depósitos a prazo realizados naquele mês tiveram direito a uma taxa de juro média de 0,19%. Este valor iguala o mínimo histórico definido em dezembro de 2017. Na prática, tal significa perder dinheiro face ao efeito corrosivo da inflação. A taxa de inflação prevista pelo Governo para este ano é de 1,4%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses colocam mais dinheiro à ordem e menos a prazo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião