Metro quadrado custa 932 euros em Portugal. Em Lisboa é quase o triplo

O aumento dos preços é generalizado a todo o país. Em Boticas, o terceiro município mais barato de Portugal, o valor das vendas disparou 50%.

O preço das casas não para de aumentar. No final do ano passado, o valor mediano dos preços dos alojamentos vendidos em Portugal fixou-se em 932 euros por metro quadrado, o que representa um aumento de 7,6% face ao que se registava no final de 2016. Na cidade de Lisboa, a mais cara do país, o valor é quase o triplo: 2.438 euros por metro quadrado é o valor mediano das vendas de casas na capital.

Os dados relativos aos preços da habitação a nível local foram divulgados, esta quarta-feira, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que dá conta de que há 39 municípios que registam um valor mediano das vendas de casas acima do valor nacional. A maioria encontra-se no Algarve, onde quase todos os municípios registam preços acima dos 1.000 euros por metro quadrado, e na Área Metropolitana de Lisboa.

Os aumentos homólogos mais expressivos verificam-se nas maiores cidades, com mais de mil habitantes. Em Lisboa e no Porto, no espaço de um ano, os preços das casas dispararam 18% em ambos os casos. Na Amadora, onde os preços também têm vindo a disparar no último ano, o valor mediano das vendas aumentou 15,9% no quarto trimestre do ano passado, ultrapassando os 1.100 euros por metro quadrado. Braga foi a grande cidade onde se registou o menor aumento, de 5,4%.

Na Área Metropolitana de Lisboa, o valor mediano das vendas fixou-se em 1.262 euros por metro quadrado, enquanto na Área Metropolitana do Porto chegou aos 893 euros por metro quadrado. Restringindo a análise apenas aos municípios, os preços disparam: no quarto trimestre do ano passado, o metro quadrado de uma casa custava 2.438 euros em Lisboa, um aumento de 5% em relação ao trimestre anterior; no Porto, chegava aos 1.307 euros, uma subida de 4% face ao terceiro trimestre.

Quanto à região do Algarve, o valor mediano das vendas aumentou em 2,6% do terceiro para o quarto trimestre, fixando-se nos 1.383 euros por metro quadrado. Também na Madeira os valores são superiores aos registados no resto país, com o preço mediano das vendas a totalizar 1.126 euros por metro quadrado.

Mas o aumento dos preços é generalizado a todo o país, mesmo aos municípios mais baratos. Em Boticas, o terceiro município mais barato do país, onde o valor mediano das vendas de casas é de apenas 177 euros por metro quadrado, os preços aumentaram 50% do terceiro para o quarto trimestre do ano passado, o maior aumento trimestral registado em todo o país. Há também o caso de Figueira de Castelo Rodrigo, o segundo município mais barato, onde os preços subiram quase 12% em apenas três meses, totalizando 161 euros por metro quadrado.

No final do ano passado, o município mais barato do país passou a ser Pampilhosa da Serra, uma das zonas afetadas pelos incêndios. O valor das vendas afundou quase 50%, para uma mediana de 130 euros por metro quadrado. Figueira de Castelo Rodrigo, Boticas, Vimioso e Penamacor fecham a lista das zonas mais baratas do país para comprar casa.

(Notícia atualizada às 11h50 com mais informação.)

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Metro quadrado custa 932 euros em Portugal. Em Lisboa é quase o triplo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião