35 horas no privado “não é compromisso” do Governo para esta legislatura, diz ministro

  • Lusa
  • 7 Maio 2018

Vieira da Silva considera implementação das 35 horas semanais no setor privado "um debate interessante", mas realça que não é um compromisso do Governo. Deve ser um objetivo a longo prazo, diz.

O ministro do Trabalho afirmou, esta segunda-feira, que a implementação das 35 horas semanais no setor privado “deve constituir um objetivo de longo ou médio prazo”, mas “não é um compromisso” do Governo para esta legislatura.

“É um debate interessante, não é um compromisso que este Governo tenha assumido para esta legislatura”, afirmou Vieira da Silva, no Porto, salientando que “essa não é uma medida que esteja no programa do Governo, nem no programa eleitoral” do Partido Socialista e “nem sequer consta de qualquer dos acordos que foi celebrado entre o PS e os outros partidos” que apoiam o executivo.

A deputada do PCP Rita Rato anunciou no domingo que o PCP decidiu agendar para 18 de maio a proposta de garantia das 35 horas para todos os trabalhadores do setor público e privado, a que se juntou um projeto do PAN a que outros partidos se podem ainda juntar, como o Bloco de Esquerda (BE).

Rita Rato esclareceu, assim, que a iniciativa partiu dos comunistas, depois de no sábado a coordenadora nacional do BE, Catarina Martins, ter mencionado numa ação do partido uma iniciativa legislativa para alargar a redução de 40 para 35 horas semanais ao privado.

“É um contributo no âmbito da valorização dos direitos dos trabalhadores, mas também da criação de emprego”, sustentou a deputada do PCP, avançando que a implementação das 35 horas semanais para o setor privado permitiria criar cerca de 440 mil novos postos de trabalho.

Para o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, “do ponto de vista estratégico é uma boa ideia que as sociedades evoluam no sentido de reduzir a duração da jornada de trabalho”, mas tal só pode vir a ser “viável num prazo curto” se for uma medida aplicada a nível transnacional: “Isso já foi tentado nalguns países, [mas] tenho dúvidas de que possa acontecer se não corresponder a uma opção mais generalizada num espaço como é, por exemplo, o espaço europeu”, sustentou.

Embora admitindo que esta redução da carga horária laboral “deve constituir um objetivo de longo ou de médio prazo”, Vieira da Silva defendeu que Portugal tem “outras batalhas” a “vencer primeiro”, sendo uma delas “a da estabilidade do emprego”.

Relativamente ao argumento do PCP de que a medida permitiria criar milhares de postos de trabalho, o governante considera que “é uma questão de opções em matéria de contabilização dos efeitos”.

“Não vi ainda a proposta concretamente, mas estamos a falar da redução do horário de trabalho com a manutenção das remunerações, dos salários. Só nessa perspetiva é que faria sentido que isso acontecesse”, disse, acrescentando: “Teremos seguramente a oportunidade de debater, essa é uma opção que tem vindo a ser discutida em muitos países, concretizada em muitos menos e concretizada com êxito ainda em muito menos”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

35 horas no privado “não é compromisso” do Governo para esta legislatura, diz ministro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião