SATA e TAP entre as piores companhias aéreas do mundo no ranking da pontualidade

  • Lusa e ECO
  • 8 Maio 2018

A SATA Internacional-Azores Airlines e a TAP ocupam o 151.º e o 148.º lugar numa lista composta por 153 companhias aéreas. A TAP chega a tempo em 53,8% dos voos.

A SATA Internacional-Azores Airlines e a TAP ocupam o 151.º e o 148.º lugar, respetivamente, num total de 153 transportadoras, na classificação de pontualidade do mês de abril da empresa especializada de estatísticas OAG. O aeroporto de Lisboa é o 12.º menos pontual num total de quase 1.200 aeroportos.

A SATA Internacional-Azores Airlines foi a terceira pior classificada, atrás da canadiana Air Inuit e da argelina Tassil Airlines, com 47% de chegadas pontuais 1%. Na comparação de operações, com 379 companhias, ficou no 268.º lugar, com 625 voos.

No ranking, a TAP ocupa o 148.º com o registo de 53,8% de chegadas a tempo e 1,9% de cancelamentos. Na contabilidade de voos, entre 379 transportadoras, a portuguesa tem um registo de 11,263, traduzindo-se num 59.º posto.

Em abril de 2017, a TAP seguia no 81.º posto, entre 137 companhias, com 74,9% de chegadas sem atrasos e 9.682 voos, não existindo dados referentes a cancelamentos.

O ranking de pontualidade em abril de 2018 foi liderado pela T’way Air, da Coreia do Sul, com um registo de 99,5% de chegadas sem atrasos e um total de 3.419 voos, enquanto no extremo opostos está Air Inuit, do Canadá, com 39,2% de chegadas pontuais e 1.460 voos.

"A TAP ocupa o 148.º com o registo de 53,8% de chegadas a tempo e 1,9% de cancelamentos. Na contabilidade de voos, entre 379 transportadoras, a portuguesa tem um registo de 11,263, traduzindo-se num 59.º posto.”

Em abril, a SATA Air Açores seguia na 128.º posição, com 66,7% chegadas pontuais, 3,1% de cancelamentos e 1.235 voos, o que a coloca no 222.º posto entre 379 transportadoras na comparação de operações.

Logo depois da SATA, esteve a Air France, que hoje enfrenta o 15.º dia de greve, iniciada em fevereiro, com um 67.º posto da classificação de pontualidade e um total de 28.140 voos.

De Portugal consta ainda a Aero VIP, com 556 voos regionais, e que teve 87,6% de chegadas sem atrasos e 1,9% de cancelamentos, enquanto a Orbest (filial da Evelop Airlines) operou com sucesso todos os 20 voos no quarto mês de 2018 e registou 80% de chegadas sem atrasos.

A mesma empresa tinha contabilizado à Lusa 557 voos cancelados da TAP no primeiro trimestre de 2018, tendo no seu relatório público mensal de março apontado 1,6% de voos cancelados e que 57,6% das chegadas não sofreram atrasos superiores a 15 minutos, num mês com 10.875 voos.

No ranking da pontualidade, a transportadora estava no 151.º lugar entre 156 companhias.

Aeroporto de Lisboa é o 12.º pior

Enquanto a SATA e a TAP estão entre as piores na pontualidade, o aeroporto de Lisboa ocupou a 12.ª pior classificação num ranking que engloba 1.193 aeroportos, ao seguir, em abril, no 1.182 posto, segundo a empresa de estatísticas OAG.

No seu último relatório mensal, a empresa indica que o aeroporto Humberto Delgado teve um registo de 45,5% de partidas sem atrasos e 1,6% de cancelamento. Em termos de operação houve um total de 8.795 voos, colocando a Portela no posto 79, entre 1.200 aeroportos

Com 56,5% de partidas pontuais e 1,5% de cancelamentos, o aeroporto do Porto seguiu na 1.152.ª posição, com 3.767 voos (203.º na lista de operação entre 1.200 aeroportos).

A infraestrutura da Horta ocupava o 1.149.º posto (185 voos), a de Faro a 1.125.ª posição (2.480 voos), Funchal a 1.121ª posição (937 voos), Ponta Delgada a 1.114ª posição (790 voos) e o aeroporto da Terceira 1.016 posto (448 voos).

O mais bem classificado da lista que compara 1.193 infraestruturas é o aeroporto alemão de Saarbruecken, com um registo de 267 voos, e o pior é o da capital da Tunísia, Tunes, com 2.133 voos.

Na análise estatística de 1.194 aeroportos, em março de 2018, Lisboa tinha ficado no 1.176º lugar de pontualidade (47,7% de partidas sem atrasos e 1,3% de cancelamentos).

Em termos de movimentos, com 8.318 voos, o aeroporto da capital foi a 82.º infraestrutura, entre 1.200, a contabilizar mais ligações.

No terceiro mês do ano, o Porto estava na 1.158.ª posição na pontualidade (53% de partidas sem atrasos e 2,1% de cancelamentos e 3.331 voos).

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

SATA e TAP entre as piores companhias aéreas do mundo no ranking da pontualidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião