Lucros da Sonae Indústria deslizam. Cambial penaliza

A Sonae Indústria registou uma quebra nos lucros de 40,8%, penalizada pelas variações cambiais. O resultados líquidos cifraram-se em 3,8 milhões de euros.

A Sonae Indústria fechou o primeiro trimestre do ano com lucros de 3,8 milhões de euros, uma descida de 40,8% face a igual período do ano anterior, anunciou a empresa em comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). A empresa liderada por Paulo Azevedo imputa estes resultados sobretudo “pela redução no EBITDA dos negócios integralmente detidos”.

Ainda assim, em comunicado, o chairman da Sonae Indústria destaca que “durante o primeiro trimestre de 2018, a Sonae Indústria atingiu mais uma vez resultados líquidos positivos”.

Este resultado inclui a contribuição da Sonae Arauco, criada em maio de 2016, em parceria com os chilenos da Arauco e que é detida em partes iguais pelos chilenos e pela Sonae Indústria. A Sonae Arauco foi constituída para operar nos mercados europeu e na África do Sul, no negócios dos painéis derivados de madeira.

Considerando a participação da Arauco, o volume de negócios proporcional fixou-se nos três primeiros meses do ano nos 153 milhões de euros, menos 11,2 milhões de euros do que em igual período do ano anterior. A Sonae Indústria justifica esta quebra nas vendas com o facto “das duas fábricas da Sonae Arauco em Portugal, que foram atingidas pelos incêndios florestais em outubro de 2017 terem retomado gradualmente a produção nos primeiros quatro meses de 2018 (e o montante do seguro relacionado com lucros cessantes não foi contabilizado no volume de negócios) e por outro, devido à menor contribuição dos negócios integralmente detidos pela Sonae Indústria, explicado pelas variações cambiais desfavoráveis”.

Já o EBITDA recorrente proporcional foi de 18,7 milhões de euros, que compara com 22 milhões de euros. A dívida proporcional é de 320 milhões de euros, menos 5 milhões de euros do que em igual período do ano anterior.

Nos resultados contabilísticos, a Sonae Indústria teve um volume de negócios consolidado para o período em causa registou 54,3 milhões de euros, uma redução de 8,8% ou 5,2 milhões de euros. Uma redução que a empresa justifica com o “efeito cambial desfavorável de 5 milhões de euros que resulta da depreciação do dólar canadiano face ao euro”. A Sonae Indústria explica ainda que face ao último trimestre do ano, o volume de negócios consolidado cresceu 2,1 milhões de euros devido ao bom comportamento dos negócios da América do Norte e de Laminados e Componentes.

O EBITDA recorrente cifrou-se no primeiro trimestre do ano nos 5,8 milhões de euros, uma queda de 40,2% face ao período homólogo. Na base deste queda está, adianta a empresa, a diminuição do volume de negócios, que “foi apenas parcialmente compensada por uma redução de 2,1 milhões de euros nos custos variáveis e, por um aumento de cerca de 0,4 milhões de euros nos custos fixos”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros da Sonae Indústria deslizam. Cambial penaliza

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião