Escalada do petróleo passa fatura nos combustíveis. Vêm aí novos máximos de pelo menos três anos

Mais uma semana, mais um aumento do preço dos combustíveis. Com os máximos atingidos pelo petróleo nos mercados internacionais, os preços vão subir dois cêntimos por litro.

Os combustíveis não param de aumentar. E vão voltar a subir no arranque da próxima semana, havendo margem para aumentos na ordem dos dois cêntimos por litro. É uma nova subida, patrocinada pela escalada do petróleo após o rasgar de acordo nuclear com o Irão por parte de Donald Trump, que vai atirar os valores cobrados aos consumidores nos postos de abastecimento para máximos de três anos.

O preço da gasolina deverá agravar-se em dois cêntimos por litro no arranque da próxima semana, de acordo com fonte próxima do setor. Este aumento, o oitavo consecutivo deste combustível, deverá levar o valor médio de venda da gasolina simples de 95 octanas para 1,567 euros face aos 1,547 euros desta semana, segundo dados da Direção Geral de Energia e Geologia.

Este novo aumento vai atirar o valor de venda da gasolina para máximos de maio de 2014. No caso do gasóleo, haverá novos máximos de fevereiro do mesmo ano, isto porque este combustível, que é o mais utilizado pelos portugueses, vai subir ainda mais do que a gasolina. O aumento será, no mínimo, de dois cêntimos por litro, segundo fonte do setor.

Do preço médio de venda de 1,33 euros atual, o valor do gasóleo simples vai aumentar para mais de 1,35 euros, superando o pico atingido no arranque deste ano, recuando para máximos de três anos. Nos postos de abastecimento das gasolineiras de referência, o diesel está a ser vendido a cerca de 1,42 euros, podendo, em alguns casos, ir para perto dos 1,45 euros.

A subida dos preços dos combustíveis tem sido uma realidade nas últimas semanas, sendo que este novo aumento traduz a escalada dos preços do petróleo nos mercados internacionais. Esta semana, tanto o WTI, negociado em Nova Iorque, como o Brent, cotado em Londres, registaram fortes subidas, superando os 70 e os 77 dólares, respetivamente.

A matéria-prima está a tocar máximos de quase quatro anos, isto perante a expectativa de que haja uma redução da oferta de petróleo nos mercados internacionais depois de Donald Trump, o Presidente dos EUA, ter anunciado que vai sair do acordo nuclear assinado com o Irão. E até já avançou com as primeiras sanções contra o país, apesar das críticas dos “quatro cantos do mundo”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Escalada do petróleo passa fatura nos combustíveis. Vêm aí novos máximos de pelo menos três anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião