Empresas europeias no Irão podem ser alvo de sanções dos EUA

  • Lusa
  • 14 Maio 2018

“Penso que os europeus verão que é do seu interesse finalmente juntarem-se" aos Estados Unidos nas suas sanções ao Irão, afirmou o conselheiro de Segurança Nacional americano.

O conselheiro de Segurança Nacional norte-americano, John Bolton, advertiu hoje ser “possível” que sejam aplicadas sanções a empresas europeias que mantenham operações comerciais no Irão, após a retirada dos Estados Unidos do acordo nuclear internacional com Teerão.

“Penso que os europeus verão que é do seu interesse finalmente juntarem-se a isto”, afirmou Bolton, em declarações à estação televisiva CNN.

Inquirido sobre se, depois de o Presidente norte-americano, Donald Trump, ter ordenado a reimposição de sanções ao Irão com o abandono do acordo sobre o programa nuclear, isso significa que as empresas dos parceiros europeus que continuarem a manter relações comerciais com Teerão poderão ser alvo de sanções, o ex-embaixador dos EUA nas Nações Unidas admitiu que “é possível”, e acrescentou: “Depende da conduta de outros Governos”.

Do mesmo modo, ainda que com um pouco mais de diplomacia, falou o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, ao assegurar que a retirada de Washington do acordo assinado em 2015 em conjunto com França, China, Reino Unido, Alemanha e Rússia com o Irão “não teve como objetivo atingir os europeus”.

Em simultâneo, Pompeo disse numa entrevista à estação televisiva Fox que a ideia é obter, com os parceiros europeus, um novo acordo que “realmente funcione” e que trabalhará arduamente “nos próximos dias e semanas” para alcançá-lo.

Os parceiros da União Europeia (UE) criticaram a saída de Washington do pacto nuclear com Teerão, alertando para as suas possíveis consequências e expressaram o compromisso de nele se manterem.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas europeias no Irão podem ser alvo de sanções dos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião