Wall Street teme escalada das tensões comerciais com a China

As bolsas norte-americanas fecharam com perdas esta quinta-feira, com receios de uma escalada nas tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China. Trump duvida que possa haver acordo.

As bolsas norte-americanas fecharam em terreno negativo com receios de uma escalada nas tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China. Wall Street contraria assim a tendência registada esta quinta-feira na generalidade das praças europeias, num dia que fica marcado pelas declarações do Presidente Donald Trump, que acusou a China de ser “muito mimada”. Expectativas de uma subida da inflação também apontam para uma provável subida dos juros em junho.

O S&P 500 caiu 0,08% para 2.720,31 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq recuou 0,23% para 7.381,26 pontos. Já o industrial Dow Jones desvalorizou 0,22% para os 24.715,4 pontos, num dia em que os preços do petróleo em Nova Iorque avançam 0,13%, para 71,58 dólares o barril. Em causa, a antevisão de eventuais cortes no fornecimento por parte do Irão e da Venezuela.

A penalizar o índice de referência esteve uma queda de 3,5% nas ações da Cisco, para 43,46 dólares. Uma nota do Citigroup antecipa uma perda de quota de mercado para a tecnológica norte-americana, num dia em que apresentou lucros acima das estimativas dos analistas.

Mas foram as tensões geopolíticas que marcaram a sessão desta quinta-feira. Donald Trump, Presidente dos Estados Unidos, mostrou dúvidas de que possa haver um acordo comercial com a China que ponha um travão na escalada das tensões. “Tenho tendência para duvidar”, disse o chefe de Estado, acrescentando que “a China tem sido muito mimada, a União Europeia (UE) tem sido muito mimada”. Por outras palavras, Trump quis dizer que a UE e a China têm beneficiado de uma grande abertura para o mercado dos Estados Unidos.

Nem mesmo a divulgação de dados económicos positivos acerca do mercado laboral foram capazes de impedir as perdas desta quinta-feira. Os números apontam para uma taxa de desemprego num mínimo de 1973. Em contrapartida, segundo a Reuters, expectativas de uma subida da inflação apontam para uma maior probabilidade de a Reserva Federal vir a subir os juros no mês que vem.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street teme escalada das tensões comerciais com a China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião