Sonae abre 20 lojas Continente Bom Dia até ao final do ano

Sonae continua a expansão da rede de lojas e vai abrir mais 20 Continente Bom Dia até ao final do ano. Sobre a colocação do retalho em bolsa, a empresa diz apenas que "continua a estudar a operação".

A Sonae continua a expandir a rede de lojas. Depois de, no primeiro trimestre, ter aberto três lojas Continente Bom Dia, totalizando as 98 que detém atualmente, a empresa liderada por Luís Moutinho, prepara-se para, até ao final do ano, abrir mais duas dezenas de lojas para um total de 115 unidades. Continuamos com o nosso plano de expansão de rede de lojas”, adianta Luís Reis, chief corporate center officer da Sonae, ao ECO.

Estas aberturas da insígnia Continente Bom Dia, acontecem numa altura em que são conhecidos os dados relativos aos primeiro trimestre e em que se fica a saber que a Sonae MC, no conjunto das insígnias que detém, foi responsável por mais duas dezenas de aberturas.

A Sonae MC, detentora das insígnias de retalho alimentar, fechou o primeiro trimestre do ano com um volume de negócios de 940 milhões de euros, um crescimento de 10% face ao período homólogo.

Luís Reis destaca o bom comportamento da Sonae MC, que beneficiou do “efeito Páscoa”, mas enaltece os resultados de todo o grupo. O chief corporate center office da Sonae diz mesmo que “este foi um trimestre notável da Sonae a todos os níveis”. “Os resultados são bons em valor absoluto e relativo, na medida em que ganhamos posição competitiva“, sublinha.

Luís Reis diz ainda que, ao nível do retalho alimentar, o destaque “vai para o crescimento da margem do EBITDA, algo que acontece pela primeira vez em muitos trimestres”. A margem do EBITDA subjacente aumentou 10 pontos base em termos homólogos, apesar do impacto da expansão da rede de lojas e do ambiente competitivo. Já o EBITDA totalizou os 34 milhões de euros, um crescimento de 12,7% face ao período homólogo.

Sonae continua a estudar colocação de retalho na bolsa

A Sonae anunciou na apresentação dos resultados anuais que estava a analisar a possibilidade de listar um portefólio de retalho, ou seja, colocar o negócio em bolsa. Questionado sobre esta operação, Luís Reis limita-se a adiantar que a Sonae “continua a estudar a operação”.

“Como parte da estratégia da Sonae SGPS de proporcionar maior autonomia e foco às empresas do seu portefólio, o Conselho de Administração está atualmente a analisar a possibilidade de listar um portefólio de retalho, no qual a Sonae SGPS irá manter a participação maioritária”, afirmou na altura a empresa em comunicado.

Paulo Azevedo, por seu turno, dizia na mesma altura que “é uma intenção”. “O que está em causa é estudar as oportunidades. Vamos agora começar a estudar, vamos contratar bancos para o efeito”, referiu.

Os bancos já estarão, de resto, escolhidos, como o ECO já teve oportunidade de referir, tendo a escolha do grupo de Paulo Azevedo recaído no Barclays, BNP e Deustche Bank.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonae abre 20 lojas Continente Bom Dia até ao final do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião