Lucros da Sonae mais do que duplicam para os 20 milhões

A Sonae viu as vendas e os lucros crescerem no primeiro trimestre do ano. Crescimento do resultado líquido mais do que duplica para os 20 milhões de euros. Sonae MC e Worten impulsionam vendas.

Os três primeiros meses do ano foram positivos para a Sonae. A empresa coliderada por Ângelo Paupério e Paulo Azevedo registou um crescimento nas receitas e nos lucros, avança a Sonae em comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Os lucros da Sonae mais do que duplicaram em comparação com o período homólogo do ano anterior, passando dos oito para os 20 milhões de euros. Este forte aumento é justificado pela Sonae com o “crescimento do volume de negócios e da rentabilidade do todos os negócios e da evolução positiva do resultado indireto”.

Já o volume de negócios atingiu os 1.342 milhões de euros, um aumento de 8,7%, beneficiando especialmente do “bom desempenho da Sonae MC e da Worten”.

O EBITDA consolidado cresceu 9,5% para os 70 milhões de euros. Em comunicado, a Sonae diz que tal se deve “a um EBITDA subjacente que aumentou 11% em termos homólogos para 57 milhões de euros, e a um maior resultado obtido pelo método de equivalência patrimonial, nomeadamente os originados pela NOS e pela Sonae Sierra”.

Em termos de resultado direto, este atingiu os 14 milhões de euros, crescendo 15,6% face ao período homólogo. Já o resultado indireto situou-se nos sete milhões de euros.

Numa análise mais pormenorizada por áreas de negócios, constata-se que o retalho alimentar, a Sonae MC viu o volume de negócios crescer 10% para os 940 milhões de euros. A Sonae afirma que “este forte desempenho permitiu à Sonae MC reforçar a sua liderança de mercado”.

o volume de negócios da Worten atingiu os 242 milhões de euros, mais 9,3%, “suportado por uma variação de vendas no universo comparável de lojas de 8,8% e pelo forte desempenho do e-commerce, que manteve a tendência positiva observada nos trimestres anteriores”.

Na Sonae Sports & Fashion o crescimento nas vendas foi de 1,5% para os 96 milhões de euros. A Sonae adianta que “a operação online continuou com um bom ritmo de crescimento, com destaque para a MO que mais do que duplicou vendas, para a Zippy que cresceu 68% e para a Salsa com crescimento de mais de 30%”.

Paralelamente, a Sonae FS registou um crescimento de 30% para sete milhões de euros. Em simultâneo, o imobiliário de retalho fechou o primeiro trimestre com um valor contabilístico líquido de 908 milhões de euros e um volume de negócios de 23 milhões de euros, um crescimento de 2,4%.

Já a Sonae IM totalizou os 33 milhões de euros. A Sonae Sierra e a NOS já tinham apresentados os seus resultados.

Redução de dívida

A par da boa performance dos negócios, a Sonae reduziu a dívida líquida em 8,2% ou 113 milhões de euros, comparativamente com o primeiro trimestre do ano anterior. A empresa assegura que manteve uma estrutura de capital sólida, otimizando os custos de financiamento e mantendo reservas de liquidez, e um perfil longo de maturidade da dívida, cuja média permaneceu estável, próxima de quatro anos”.

Em termos de investimentos, o grupo com sede na Maia totalizou os 71 milhões de euros, mais 17 milhões de euros do que os registados em igual período do ano. A empresa anunciou ainda que nos últimos 12 meses do ano criou mais de 2.000 postos de trabalho.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros da Sonae mais do que duplicam para os 20 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião