Retalho da Sonae na bolsa? “Há interesse dos investidores”, diz Paulo Azevedo

Paulo Azevedo diz que está ainda a estudar a possibilidade colocar a unidade de retalho em bolsa. Mas reconhece que há interesse dos investidores que só querem estar expostos a este negócio.

A Sonae admitiu colocar o negócio do retalho em bolsa. Paulo Azevedo diz que essa é uma possibilidade, mas ainda não há nada em concreto. A holding vai contratar bancos de investimento para estudarem a operação, sendo que há apetite. “Há interesse por parte dos investidores” em estarem expostos só ao negócio do retalho, refere o co-CEO.

“Como parte da estratégia da Sonae SGPS de proporcionar maior autonomia e foco às empresas do seu portefólio, o Conselho de Administração está atualmente a analisar a possibilidade de listar um portefólio de retalho, no qual a Sonae SGPS irá manter a participação maioritária”, referiu a empresa na apresentação dos seus resultados.

É uma intenção. “Se tivéssemos alguma decisão tomada nesse sentido… O que está em causa é estudar as oportunidades. Vamos agora começar a estudar, vamos contratar bancos para o efeito“, referiu Paulo Azevedo durante a conferência de imprensa de resultados. “O que sabemos é que há interesse por parte dos investidores que querem estar expostos diretamente ao retalho”.

“O que o mercado, em geral, nos tem dito é que estaria interessado [em investir numa empresa de retalho] se houvesse uma oportunidade”, acrescentou o co-CEO da Sonae, empresa que em tempos teve em bolsa a Modelo Continente. O negócio do retalho alimentar foi depois retirado do mercado, saindo de bolsa em 2006.

A estratégia da Sonae de colocar o retalho em bolsa permitirá dar “a autonomia necessária a cada negócio no sentido de os tornar mais ágeis e criando assim mais valor para os acionistas”. A empresa quer “dar mais autonomia às equipas de gestão, que também estamos em condições de o fazer porque temos essas equipas”, referiu Ângelo Paupério na conferência de imprensa realizada na sede da empresa, na Maia.

Mas, tal como já tinha sido salientado no comunicado enviado à CMVM, a ideia da holding será sempre a de manter uma participação maioritária nessa nova cotada. Paupério, co-CEO da Sonae, salienta, na apresentação das contas de 2017, isso mesmo: “não pretendemos perder o controlo da empresa”.

Antes da abertura do mercado, a Sonae revelou que obteve lucros de 166 milhões de euros, uma valor que representa uma descida de 22,9% face a 2016, explicada pela mais-valia de 53 milhões de euros registada o ano passado fruto de operações de sale and lease back. Ao mesmo tempo, anunciou um aumento do dividendo para 4,2 cêntimos por ação.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Retalho da Sonae na bolsa? “Há interesse dos investidores”, diz Paulo Azevedo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião