Governo reúne-se com lesados do Banif. Quer alcançar solução

  • Rita Atalaia
  • 21 Maio 2018

O Executivo e a CMVM reuniram-se na sexta-feira com os lesados do Banif, numa tentativa de chegarem a uma solução para mitigar as perdas provocadas pela venda indevida de produtos.

O Governo e a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários reuniram-se no final da semana passada com a associação que representa os lesados do Banif, a ALBOA, numa tentativa de encontrar uma solução para mitigar as perdas com os produtos financeiros comercializados pela instituição financeira que foi vendida ao Santander Totta.

“Na referida reunião foi analisado o trabalho em curso, feito pela CMVM, relativo às emissões e montantes comercializadas pelo Banif, em cumprimento das resoluções da Assembleia da República n.° 44 e 49/2018, trabalho esse essencial para perspetivar qualquer solução a encontrar para este grupo de lesados“, lê-se no comunicado enviado pelo gabinete do primeiro-ministro às redações.

"Para além da análise das referidas emissões, foi ainda debatida com a Associação de Lesados do Banif (ALBOA) a dificuldade de identificar qualquer mis-selling generalizado na sua comercialização.”

Governo

“Para além da análise das referidas emissões, foi ainda debatida com a Associação de Lesados do Banif (ALBOA) a dificuldade de identificar qualquer mis-selling generalizado na sua comercialização”, refere o mesmo comunicado. Ou seja, ainda não foi possível provar que houve uma venda indevida de produtos aos clientes do Banif.

“Será marcada oportunamente nova reunião, quando este trabalho inicial – ainda em curso – estiver terminado, a fim de identificar possíveis caminhos a seguir, em cumprimento das referidas resoluções parlamentares”, afirma o Executivo.

A CMVM assegurou à ALBOA, no final do ano passado, que estava a trabalhar “com todos os meios que tem” para encontrar soluções que minimizem as perdas sofridas. Segundo o presidente da associação, a CMVM admitiu tratar-se de “um processo complexo, moroso, mas que de forma nenhuma está esquecido”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo reúne-se com lesados do Banif. Quer alcançar solução

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião