BCP dá gás à bolsa, EDP e papeleiras voltam a destacar-se

Ações da Sonae ganham 0,5% após a empresa liderada por Paulo Azevedo ter anunciado ao mercado que pretende colocar o setor do retalho alimentar e o negócio imobiliário em bolsa.

O bom desempenho da maior cotada nacional dá um mote positivo para a sessão desta terça-feira na bolsa nacional. Mas o arranque do dia volta a ter a EDP e o setor do papel em destaque.

O PSI-20, o principal índice português, avança 0,20% para 5.762,48 pontos, com o BCP a registar uma das melhores performances na praça lisboeta: as ações deste que é um peso pesado avançam 0,76% para 0,2794 euros, continuando em recuperação após o tombo de mais de 4% na última sexta-feira.

A maioria das cotadas abriu em terreno positivo — apenas três despertaram com alguma pressão vendedora e estão a ceder terreno. Há sobretudo dois destaques: a EDP volta a assumir interesse dos investidores e ganha 0,23% para 3,496 euros, depois de ter subido na sessão anterior para máximos de mais de três anos, à boleia da OPA chinesa; o setor do papel, onde a Altri e a Navigator continua a dar bem conta de si e conquistam ganhos de 1,29% e 0,1%, respetivamente.

No retalho nacional, a Jerónimo Martins (dona do Pingo Doce) sobe ligeiros 0,05%, enquanto a Sonae se apresenta em alta de 0,78% para 1,153 euros, depois de ter anunciado esta segunda-feira que pretende colocar em bolsa os seus negócios de retalho alimentar e imobiliário.

“O portefólio de retalho potencialmente sujeito à entrada em bolsa incluiria a Sonae MC, o negócio líder de mercado na área de retalho alimentar, e a Sonae RP, a entidade que gere a propriedade imobiliária de retalho da Sonae”, pode ler-se no comunicado enviado ao mercado, onde a empresa liderada por Paulo Azevedo diz que nenhuma decisão final foi ainda tomada.

Lá por fora, o dia também começa com tons de verde, sinónimo de ganhos. De Madrid a Frankfurt, as altas rondam os 0,5%, com os investidores mais tranquilos relativamente aos “desenvolvimentos positivos nas relações comerciais entre os EUA e a China”, como explicam os analistas do BPI, no seu Diário de Bolsa.

Atenções viradas também para o mercado petrolífero: o Brent volta a valorizar e atinge esta manhã os 79,62 dólares por barril.

(Notícia atualizada às 8h22)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP dá gás à bolsa, EDP e papeleiras voltam a destacar-se

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião