Eurogrupo decide conclusão do resgate à Grécia em junho

  • Lusa
  • 24 Maio 2018

Da Grécia continuam a chegar “boas notícias”, diz Mário Centeno, elogiando o acordo alcançado na semana passada entre o governo grego e as instituições de credores.

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, disse esta quinta-feira que o fórum de ministros das Finanças da Zona Euro tomará em junho todas as decisões necessárias para a conclusão bem-sucedida do programa de assistência à Grécia em agosto, como previsto.

No final de uma reunião do Eurogrupo, Centeno reiterou que da Grécia continuam a chegar “boas notícias”, saudando o acordo alcançado na semana passada em Atenas entre o Governo grego e as instituições de credores sobre os requisitos necessários para finalizar a quarta e última avaliação do resgate em curso. Segundo Centeno, o pacote de medidas acordado “mostra que quando há confiança mútua e verdadeira sentido de propriedade das reformas é possível chegar a compromissos num curto espaço de tempo”.

“Encorajamos o Governo grego a manter o ritmo e a implementar rapidamente as reformas até ao nosso encontro de junho”, disse, sublinhando que tal é “decisivo” para a conclusão do programa.

Apontando que esta quinta-feira foi também já discutida a questão de alívio da dívida da Grécia, com um “objetivo comum de assegurar sustentabilidade a longo prazo da dívida grega”, o presidente do Eurogrupo observou que todas as partes estão fortemente comprometidas em alcançar um acordo final, pelo que acredita que vai ser possível cumprir um calendário que admite ser ambicioso.

“Na nossa próxima reunião, no Luxemburgo, em junho (dia 21), vamos decidir tudo o que será preciso para assegurar uma saída bem-sucedida da Grécia do programa em agosto. Esta é a nossa grande prioridade relativamente à Grécia”, declarou, apontando que “o grande objetivo” de todos os trabalhos em curso é que o país volte a ter acesso aos mercados depois de 20 de agosto.

Também o comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, manifestou-se convicto de que está tudo bem encaminhado “para a conclusão do programa no verão” e disse acreditar num “acordo global no próximo mês”, sublinhando que é necessário que o pacote de medidas de alívio de dívida seja efetivamente “credível”, pois só assim a Grécia poderá voltar a financiar-se nos mercados.

“Estou confiante num acordo em 21 de junho, e vamos tudo fazer para lá chegar”, disse.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Eurogrupo decide conclusão do resgate à Grécia em junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião