Siza tem mais de um milhão investidos em 55 aplicações

O ministro Adjunto tem estado sob os holofotes mediáticos. O ECO foi consultar a declaração de rendimentos no TC e viu que Siza Vieira é um investidor que não põe os ovos todos no mesmo cesto.

O ministro Adjunto tem uma carteira diversificada de aplicações financeiras, avaliada em cerca de 1,2 milhões de euros. Este montante está espalhado por 55 tipos diferentes de aplicações, desde fundos de ações, de tesouraria, de obrigações, a uma conta em libras no Citi Bank, Law Firm Group. A estas aplicações, junta-se um rendimento de quase 1,4 milhões de euros que recebeu quando ainda era advogado da Linklaters.

Os rendimentos e património de Pedro Siza Vieira fazem parte da declaração que o governante entregou no Tribunal Constitucional a 21 de dezembro de 2017, que o ECO consultou na terça-feira.

Nela, Pedro Siza Vieira declara que recebeu quase 1,4 milhões de euros em 2016. Este é o valor total dos rendimentos previstos no IRS de 2016. A grande fatia resulta de rendimentos de trabalho independente (1,3 milhões de euros), com o restante a resultar da obtenção de mais-valias e de rendimentos de capitais.

A consulta desta informação permite perceber que Siza Vieira é um investidor com a carteira bastante diversificada, seguindo a regra de ouro que surge nos manuais de finanças pessoais: não pôr os ovos todos no mesmo cesto.

Pimco e antiga PT na carteira de Siza

Em fundos de investimento (tesouraria, ações e obrigações), todos do BPI, Pedro Siza Vieira tem aplicados um valor em torno de 86 mil euros. Além disso, o ministro Adjunto tem uma carteira de 39 títulos no valor de 860 mil euros, em aplicações financeiras (“movimentos mobiliários”). Entre estas está, por exemplo, uma aplicação num fundo da Pimco, a quem o Banco de Portugal impôs perdas na sequência da resolução do BES em 2014, e onde colocou cerca de 12 mil euros. Este pacote de títulos foi adquirido junto de duas instituições financeiras: Caixa Geral de Depósitos e Millennium BCP.

O ministro tem ainda planos-poupança reforma e uma conta no valor de 150 mil libras (171 mil euros à cotação desta quarta-feira) junto do Citi Bank, Law Firm Group, um serviço que o Citi Bank presta a advogados e suas empresas de definição de estratégias financeiras.

O ministro é também detentor de obrigações. Tem 40 mil euros em Obrigações do Tesouro e investiu 5.000 euros em obrigações da antiga PT Portugal e que já levaram alguns lesados a processar os bancos onde compraram as mesmas obrigações. No caso, Siza Vieira adquiriu estas obrigações junto do banco BPI.

Além destas aplicações, o governante tem ainda património imobiliário. Tem um apartamento em Lisboa e outra habitação no concelho de Grândola, não declarando ter qualquer empréstimo a pagar. Na declaração que está no Palácio Ratton, o ministro diz ter um carro.

Antes de ir para o Governo, o ministro era advogado e sócio há 16 anos na sociedade de advogados Linklaters, tendo vendido aquela participação. “A quota foi amortizada pela sociedade na véspera da tomada de posse“, disse ao ECO fonte oficial do gabinete do ministro Adjunto, justificando assim a ausência de referência àquela quota na declaração que foi entregue no TC.

No mesmo dia em que vendeu a quota, abriu uma empresa imobiliária com a mulher na qual tem uma quota de 50%, e na qual começou por ser gerente, cargo a que renunciou dois meses depois, após ter sido alertado para a incompatibilidade da função executiva com a gerência de uma sociedade por quotas. No dia seguinte, a 21 de outubro de 2017, tomou posse como ministro Adjunto.

O ministro Adjunto tem estado sob os holofotes mediáticos depois de notícias que o relacionam com a OPA à EDP e depois do ECO ter noticiado que Siza Vieira abriu uma imobiliária um dia antes de entrar para o Governo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Siza tem mais de um milhão investidos em 55 aplicações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião