Partir teclados, abracinhos e até uma bênção. #RGPD chegou às redes sociais

  • Rita Frade
  • 25 Maio 2018

O RGPD entrou em vigor esta sexta-feira. Para evitar pagar multas, as empresas inundaram as caixas de email dos clientes com pedidos de autorização. Veja como estes reagiram nas redes sociais.

Chegou, finalmente, o dia. O Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) entrou esta sexta-feira em vigor. Por desconhecimento, mas muitos por preocupação em conseguir cumprir com a nova lei, o RGPD (ou GDPR, na sigla inglesa) passou a ser um sucesso… nas pesquisas através da internet. Passou até a Beyoncé.

Até o dia em que o RGPD entrou em vigor, muita tinta teve de correr, para todos perceberem de que se trata afinal este novo regulamento que visa proteger os dados dos cidadãos. Depois da tinta, chegaram os emails.

Para cumprirem com a nova legislação, no que diz respeito ao tratamento de dados dos utilizadores, e obedecerem aos novos requisitos (de forma a evitar multas avultadas), as empresas tiveram de enviar emails aos seus clientes com pedidos de autorização, de diferentes formas e feitios.

Conclusão, os clientes viram, de repente, as suas caixas de correio eletrónico serem inundadas com emails a perguntar se autorizam a utilização e tratamento dos seus dados pessoais. Esta situação depressa deu origem a uma série de memes e GIFs nas redes sociais.

Há muitos clientes estão a dar em doidos com as dezenas, ou mesmo centenas, de emails que têm inundado as caixas de correio eletrónico. Além de brincarem com esta situação, há quem apresente uma cura para toda a chatice. É só seguir “quatro simples passos”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Partir teclados, abracinhos e até uma bênção. #RGPD chegou às redes sociais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião