RGPD pode ameaçar seguros de saúde e vida, dizem seguradoras

  • Lusa
  • 24 Maio 2018

Esta sexta-feira entra em vigor o novo regulamento geral de proteção de dados. As seguradores adiantam que tais regras podem trazer problemas no que diz respeito aos seguros de saúde e de vida.

A execução de seguros de saúde e de vida pode ter problemas a partir de sexta-feira, com a aplicação do novo regulamento europeu da proteção de dados, alertou a Associação Portuguesa de Seguradoras (APS).

O presidente da APS, Galamba de Oliveira, em declarações à Lusa, admite mesmo que, se não for produzida legislação nacional, as seguradoras venham a ter de privar segurados do acesso a prestações de saúde cobertas e apenas por impedimentos no acesso aos dados de saúde, como exames médicos, consultas ou cirurgias, e fazerem os respetivos reembolsos.

O novo regulamento europeu, em vigor há dois anos, começa a ser aplicado sexta-feira na União Europeia, incluindo em países que não concluíram legislação a concretizar essa aplicação do regulamento, como Portugal, e deixando em aberto questões como o acesso a dados pessoais de falecidos ou o acesso a dados de saúde de segurados sem expresso consentimento.

A APS argumenta existirem 2,5 milhões de apólices de seguros de saúde em Portugal e mais um milhão de apólices de seguro de vida, a maioria associadas a contratos de crédito à habitação, números que diz tornarem “impossível” confirmar, tal como exige o regulamento, se esse consentimento cumpre os requisitos legais.

Se o Governo demorar a legislar, ou se quando legislar não prevenir estas dificuldades do setor segurador, a associação admite a possibilidade de as companhias se virem forçadas a enviar a todos os clientes pedidos de confirmação de acesso aos dados e, aqueles que não responderem, “privarem do acesso a prestações normalmente cobertas” pelo seguro.

“A exigência do consentimento expresso e a não obtenção desse consentimento pela seguradora, até por simples inércia do seu cliente, que se espera venha a afetar uma enorme quantidade de contratos, levará porventura à não renovação automática desses contratos e à suspensão da gestão de sinistros”, admite a APS naquele parecer.

A associação adianta que, no limite, as seguradoras – para evitarem as multas por incumprimento do regulamento, que podem chegar a 4% da faturação ou 20 milhões de euros – acabem por decidir apagar os dados pessoais de segurados que não consentiram acesso aos seus dados pessoais.

Estes “constrangimentos à gestão dos contratos e dos sinistros”, acrescenta a associação no parecer ao Governo, vão penalizar não só as organizações “mas também, de forma muito evidente, os tomadores, segurados e beneficiários”.

Nas próximas semanas, enquanto esperam a publicação da lei nacional, as seguradoras vão manter os procedimentos anteriores, mesmo que ilegais, no que respeita aos seguros facultativos, como os de saúde ou de vida, uma vez que o acesso a dados pessoais quanto a seguros obrigatórios – como os de acidentes de trabalho ou automóvel – é legitimado pela própria lei ou pelo contrato.

“Neste momento vamos continuar a operar com os mesmos processos e procedimentos, com as mesmas preocupações em termos de privacidade e confidencialidade dos dados, tal como temos feito nos últimos anos”, tranquilizou Galamba de Oliveira, reconhecendo no entanto não ter base legal que legitime esse tratamento.

Problema ainda mais complicado, face ao proposto pelo Governo no projeto em discussão pelos deputados, é o dos seguros de vida e do acesso das seguradoras aos dados de saúde de pessoas falecidas, uma vez que é a partir da morte do segurado que os beneficiários desses seguros têm direito a compensação e são persuadidos pelas seguradoras a solicitar elementos sobre a saúde do falecido.

O regulamento não protege diretamente os dados pessoais de pessoas falecidas, mas admite que o legislador nacional o faça, tendo em Portugal o Governo optado, na proposta legislativa em discussão pelo parlamento, por proteger esse acesso dando o exercício do consentimento a alguém designado pela pessoa falecida “ou, na sua falta, pelos respetivos herdeiros”.

Mas este exercício pelos herdeiros não agrada à Comissão nacional de Proteção de Dados que, no seu parecer ao projeto do Governo, recorda que Portugal tem um Código Civil que protege os direitos de personalidade depois da morte, entre os quais o direito à privacidade, e que o acesso a dados sensíveis como os de saúde revela dimensões da vida privada.

A presidente da comissão, Filipa Calvão, em declarações à Lusa defendeu existir o risco de, através da lei nacional, permitir o acesso a dados de saúde pelos familiares para efeitos de seguros, uma solução que as seguradoras seguem há muito tempo, exigindo aos beneficiários dos seguros dados de saúde para comprovar a causa da morte ou que à data da celebração do seguro não padecia da doença que causou a morte.

“Isto é uma porta que fica aberta para exigir aos familiares que obtenham essa informação e legitima” esse tratamento de dados, conclui Filipa Calvão.

Em Portugal, as seguradoras acedem a dados clínicos de subscritores de seguros de vida, após a morte deles, com base em cláusulas de autorização colocadas no meio dos contratos de seguro, clausulas, mas sentenças dos tribunais têm recordado que em Portugal nem a seguradora nem o beneficiário podem obter livremente elementos relativos à saúde e causa de morte do segurado.

Se a Lei de Acesso aos Documentos Administrativos (LADA), de 2007, permite às seguradoras aceder a dados de saúde de utentes das unidades públicas (Serviço Nacional de Saúde e hospitais com parceria público-privada), desde que autorizadas pelo titular ou revelador de interesse pessoal, direto e legítimo, por outro lado a Lei de Proteção de Dados, de 1998, limita o acesso por terceiros ao consentimento expresso do titular, informado e consciente da finalidade do tratamento dos dados.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

RGPD pode ameaçar seguros de saúde e vida, dizem seguradoras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião