Pedro Nuno levanta congresso do PS

Apontado como potencial sucessor de Costa no PS, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares avisou que o partido não conseguirá uma maioria se deixar de falar para os trabalhadores mal pagos.

Pedro Nuno Santos defendeu este sábado no Congresso do PS que o partido não conseguirá uma maioria se deixar de falar para os trabalhadores com salários mais baixos, por serem estes que estão na origem da formação dos partidos socialistas. No final da sua intervenção, o congresso levantou-se para o aplaudir de pé, o que até agora apenas tinha acontecido com Costa e Ferro.

“O PS só garantirá uma maioria se não deixar de falar para este povo”, disse o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, responsável pela coordenação com os parceiros da geringonça, que tem protagonizado com Augusto Santos Silva um debate ideológico dentro do partido. Antes, Pedro Nuno Santos tinha explicado que foram os trabalhadores mal pagos que deram origem aos partidos socialistas na Europa.

O governante, que tem sido apontado como possível sucessor de António Costa na liderança do PS, deixou ainda um aviso sobre o caminho que o partido deve seguir nos próximos tempos. “Os partidos socialistas não foram criados para representar elites“, afirmou, alertando para o erro que será se o partido achar que “pode apenas dirigir o seu discurso para os setores mais dinâmicos da economia”.

Pedro Nuno Santos argumentou que este é o espaço do PS também porque este é um território onde o PSD e o CDS não entram. “Não contamos com o PSD e o CDS para proteger os trabalhadores”, afirmou, acrescentado que também “não é com o PSD e com o CDS que vamos proteger o sistema público de pensões”.

Por isso, defendeu o papel do Estado para resolver os problemas da sociedade, ao contrário do que diz defenderem PSD e CDS que apostam no “individualismo”.

Em jeito de resposta a quem o acusa de estar a colocar o PS mais à esquerda, Pedro Nuno Santos responde: “Isto não é radicalismo, não é populismo. Isto é ser socialista”.

 

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Nuno levanta congresso do PS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião