Costa vê PS a roubar trunfo à direita e a combater corrupção

O líder do PS não quer abrir o debate das legislativas e das europeias mas já marca diretrizes. Combate à corrupção faz parte da história do partido e PS também sabe governar as finanças públicas.

António Costa não quer o congresso a discutir um programa europeu ou de Governo, mas já tira conclusões para os próximos atos eleitorais. “Acabámos com o mito de que, em Portugal, é a direita que sabe governar a economia e as finanças públicas”, disse o líder o PS na abertura do 22.º congresso. O objetivo é distinguir o PS dos partidos à sua esquerda e começar a entrar no eleitorado à direita.

O secretário-geral, que subiu ao palco ao som da música dos Xutos e Pontapés “À minha maneira”, defendeu que a reunião magna do partido acontece numa altura que dá oportunidade ao partido para olhar para o “médio prazo”, para os novos desafios (as alterações climáticas, a demografia, a descentralização e as desigualdades). “Este congresso acontece num momento em que não temos de antecipar um programa de governo nem teremos de antecipar o programa europeu”, avisou o primeiro-ministro, tentando assim marcar o tom do debate que acontece até domingo na Batalha, onde os socialistas estão reunidos.

Mas a um ano das europeias e ano e meio das legislativas, o líder do PS aproveitou a oportunidade para fazer um balanço do trabalho feito até agora em várias áreas. E na economia e nas finanças públicas, para Costa já não há dúvidas. “Acabámos com o mito de que, em Portugal, é a direita que sabe governar a economia e as finanças pública”. Não foi por acaso que escolheu esta como uma das últimas ideias para fechar a sua intervenção. Este é um trunfo que quer usar nas campanhas que se seguirão, que ajuda a distinguir o PS dos seus parceiros no Parlamento e permite ao partido tentar entrar no terreno do eleitorado que vota à direita.

No início do discurso, Costa tinha reclamado para o PS um papel determinante na afirmação de Portugal no contexto europeu. Lembrou a entrada de Portugal para a CEE com Mário Soares, que foi homenageado no início da reunião magna, e a assinatura do Tratado de Lisboa, com José Sócrates. “O PS foi sempre e é o campeão do europeísmo em Portugal”, disse, lembrando que é o ministro português das finanças quem está à frente do Eurogrupo.

Além disso, recordou as conquistas de Portugal na confiança que conquistou junto dos mercados e na melhoria de indicadores orçamentais, como o défice e dúvida. Mas também aqui Costa deixou uma ideia para distinguir entre os que defendem a redução da dívida pública através de uma reestruturação ou renegociação – como, por exemplo, o Bloco de Esquerda e o PCP, e em tempos alguns militantes socialistas como o atual secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos. “Não enfrentámos a dívida com bravatas.”

Num discurso marcado pela definição da identidade do PS, Costa passou em revista o papel do partido na construção da liberdade, da democracia, da igualdade e lembrou bandeiras importantes para o partido, como a criação do Rendimento Social de Inserção e do Complemento de Solidariedade Social. Repetiu ainda os avanços prometidos em áreas sociais: o salário mínimo nacional que volta a “aumentar nos próximos anos” e um “novo passo” para as reformas antecipadas, bem como “alargamento” do Serviço Nacional de Saúde.

Enquanto percorreu as conquistas socialistas, Costa tentou desfazer algumas mensagens mais presentes nos últimos tempos e que têm feito mossa no Governo e no partido. Defendeu que o PS esteve presente no combate à corrupção nos anos seguintes aos mandatos de Cavaco Silva como primeiro-ministro, uma posição que pretende descolar o PS do caso Sócrates e mais recentemente o caso Manuel Pinho. E ainda do investimento que o Governo fez em saúde – mais 8.000 profissionais, mais 332 mil consultas, mais 19 mil cirurgias e mais 200 mil pessoas nas urgências -, números que serviram para apagar a ideia de que a saúde é um setor com problemas.

(Notícia atualizada)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa vê PS a roubar trunfo à direita e a combater corrupção

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião