Marques Mendes: “Abrir uma sociedade na véspera de entrar no Governo? É suspeito, é estranho”

Marques Mendes, no seu comentário semanal na SIC, falou sobre a polémica da semana noticiada em primeira mão pelo ECO, relacionada com o ministro Siza Viera.

O ECO noticiou, esta semana, que o ministro Pedro Siza Vieira abriu uma empresa imobiliária na véspera de ir para o Governo e acumulou, durante dois meses, a gerência dessa empresa com o cargo de ministro.

“A parte que mais se fala é se renunciou a tempo ou não. Não é a questão mais importante. É um lapso. É censurável, mas não é o mais relevante”.

Então o que é mais relevante?

Marques Mendes elenca três questões:

  1. “Abrir uma sociedade na véspera de entrar no Governo? É suspeito. É estranho”. E recorda uma capa do jornal Público desta semana onde se lia: “Ministro não responde se criou empresa para esconder património”.
  2. “Na energia é mais importante. [Pedro Siza Vieira] pediu escusa em matérias de energia. É louvável. Mas há uma coisa estranha? Porque só agora é que pediu escusa? Porque é que pediu escusa agora, quando antes reuniu-se com outras empresas, como a EDP?”
  3. “É muito estranho as funções. [Siza Vieira] trata de assuntos de energia, mas não é ministro da Energia. Trata de assuntos de economia, mas não é ministro da Economia. Parece que temos dois ministros da Economia. Isso não é transparente. Tem a ver com eventuais conflitos de interesse”.

Sobre António Costa, Mendes diz que “nunca deixa cair os seus amigos. É amigo dos seus amigos. Mas no plano do Estado deveria haver menos informalidade e menos facilitismo com que o primeiro-ministro trata algumas matérias de Estado”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marques Mendes: “Abrir uma sociedade na véspera de entrar no Governo? É suspeito, é estranho”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião