Siza Vieira não foi o único. Secretário de Estado da Juventude também acumulou gerência de empresa pessoal

  • ECO
  • 25 Maio 2018

Depois de Siza Vieira, sabe-se agora que o secretário de Estado da Juventude e Desporto esteve a gerir uma empresa pessoal de exploração de mirtilos.

O secretário de Estado da Juventude e do Desporto acumulou a função de governante com a gerência de uma empresa pessoal durante 22 meses, avança o Correio da Manhã (acesso condicionado). Este é mais um caso de sobreposição de exercício de funções públicas e privadas no Governo, depois de se saber que Siza Vieira foi sócio-gerente de uma empresa durante dois meses após a tomada de posse.

João Paulo Rebelo entrou para o Governo de António Costa em abril de 2016 mas, apenas em janeiro deste ano é que renunciou ao cargo de gerente da João Paulo Rebelo, Unipessoal, Lda., uma empresa de exploração de mirtilos, de acordo com o registo de interesses divulgado esta quarta-feira na Assembleia da República.

Contactado pelo CM, o secretário de Estado da Juventude e do Desporto explicou que, após remetido o registo de interesses para a Assembleia, “recebeu a 31 de janeiro de 2018 a informação da AR de ser incompatível o exercício simultâneo de gerente da referida sociedade e o exercício do cargo de secretário de Estado, ao contrário do que acontecia enquanto deputado“. Neste sentido, conforme respondeu, foi nesse mesmo dia que decidiu “renunciar ao exercício do cargo de gerente da referida sociedade, formalizou-o por carta, no dia 8 de fevereiro de 2018”.

Este caso vem juntar-se ao de Pedro Siza Vieira. O ministro Adjunto criou uma empresa um dia antes de entrar para o Governo, como revelou o ECO em primeira mão. Acumulou a função de gerente nesta empresa com o cargo no Executivo de António Costa, tendo renunciado à gerência dois meses depois de assumir funções no Governo, após ter sido alertado para o impedimento. O advogado disse desconhecer a legislação que impede um membro do Governo de acumular cargos de gerência em empresas privadas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Siza Vieira não foi o único. Secretário de Estado da Juventude também acumulou gerência de empresa pessoal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião