Estas são as universidades onde estudaram os CEO das startups com maior investimento

De Harvard a Yale, passando por Brown. Zuckerberg, Gates e Jobs podem ter sido bem sucedidos mesmo sem canudo, mas os CEO das startups com maior investimento têm históricos de prestígio.

Se é verdade que Mark Zuckerberg e Bill Gates mostraram que não é preciso ter um canudo para se ser bem-sucedido, é também correto sublinhar que os empreendedores contam, geralmente, com uma boa educação. De acordo com o portal Crunchbase, a maioria dos fundadores de startups têm cursos superiores, sendo os “pais” do Facebook e da Microsoft exceções e não regras.

Em que universidades andaram estes empresários? Depois de ter passado a pente fino o ecossistema universitário, o portal referido chegou à conclusão de que a maioria dos líderes executivos das startups mais investidas dos Estados Unidos frequentou os institutos mais prestigiados e conhecidos do país, nomeadamente Harvard e Stanford.

A amostra usada incluiu os dirigentes executivos de 193 empresas norte-americanas, que levantaram mais de 100 milhões de dólares em capital de risco, nos últimos três anos.

Estas são as universidades onde andaram os líderes em questão.

Depois de Harvard e Stanford, há que destacar a Universidade da Pensilvânia, que ocupa o terceiro lugar do ranking. No top 15, há ainda espaço para a icónica Columbia, Yale, M.I.T, Brown e Princeton.

Dara Khosrowshahi, atual líder da Uber, estudou, por exemplo, na Universidade de Brown e Elon Musk, da Tesla e da SpaceX na Universidade da Pensilvânia. O líder executivo do Pinterest passou, por sua vez, por Yale.

A diferença entre esta lista e aquela feita para os líderes executivos das restantes startups está na forte relevância das escolas de negócios. Os MBA são, na verdade, frequentes nos currículos dos líderes em causa. “O percurso típico de um líder de uma companhia financiada por capital de risco [inclui] cursos em prestigiadas universidades. Os MBA são particularmente populares”, lê-se no relatório do portal.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estas são as universidades onde estudaram os CEO das startups com maior investimento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião