Estas são as universidades onde estudaram os CEO das startups com maior investimento

De Harvard a Yale, passando por Brown. Zuckerberg, Gates e Jobs podem ter sido bem sucedidos mesmo sem canudo, mas os CEO das startups com maior investimento têm históricos de prestígio.

Se é verdade que Mark Zuckerberg e Bill Gates mostraram que não é preciso ter um canudo para se ser bem-sucedido, é também correto sublinhar que os empreendedores contam, geralmente, com uma boa educação. De acordo com o portal Crunchbase, a maioria dos fundadores de startups têm cursos superiores, sendo os “pais” do Facebook e da Microsoft exceções e não regras.

Em que universidades andaram estes empresários? Depois de ter passado a pente fino o ecossistema universitário, o portal referido chegou à conclusão de que a maioria dos líderes executivos das startups mais investidas dos Estados Unidos frequentou os institutos mais prestigiados e conhecidos do país, nomeadamente Harvard e Stanford.

A amostra usada incluiu os dirigentes executivos de 193 empresas norte-americanas, que levantaram mais de 100 milhões de dólares em capital de risco, nos últimos três anos.

Estas são as universidades onde andaram os líderes em questão.

Depois de Harvard e Stanford, há que destacar a Universidade da Pensilvânia, que ocupa o terceiro lugar do ranking. No top 15, há ainda espaço para a icónica Columbia, Yale, M.I.T, Brown e Princeton.

Dara Khosrowshahi, atual líder da Uber, estudou, por exemplo, na Universidade de Brown e Elon Musk, da Tesla e da SpaceX na Universidade da Pensilvânia. O líder executivo do Pinterest passou, por sua vez, por Yale.

A diferença entre esta lista e aquela feita para os líderes executivos das restantes startups está na forte relevância das escolas de negócios. Os MBA são, na verdade, frequentes nos currículos dos líderes em causa. “O percurso típico de um líder de uma companhia financiada por capital de risco [inclui] cursos em prestigiadas universidades. Os MBA são particularmente populares”, lê-se no relatório do portal.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estas são as universidades onde estudaram os CEO das startups com maior investimento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião