Período experimental: proposta do Governo corre novo risco de inconstitucionalidade?

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 28 Maio 2018

Quase dez anos depois do chumbo do TC, o Governo volta a abordar o tema do período experimental, mas vinca que a proposta "não é nada igual". Há riscos de inconstitucionalidade?

No final de 2008, o Tribunal Constitucional (TC) chumbou o alargamento, para o dobro, do período experimental no caso de pessoas que exercem trabalho indiferenciado. A medida acabou por ficar pelo caminho na revisão do Código do Trabalho promovida pelo ministro Vieira da Silva. Quase dez anos depois, Vieira da Silva volta a tocar neste tema. Mas vinca que a proposta “não é nada igual”, uma vez que abrange apenas trabalhadores à procura de primeiro emprego e desempregados de longa duração. Há riscos de inconstitucionalidade?

A professora Maria do Rosário Palma Ramalho entende que sim. “Tanto pela questão do princípio da justa causa, como pela questão da igualdade”, diz. Para a presidente da Associação Portuguesa de Direito do Trabalho, “tem que haver um motivo justificativo para o tratamento diferenciado”.

O “objetivo do período experimental nada tem a ver com o tipo de trabalhador”, mas sim permitir que “cada uma das partes possa verificar se lhe interessa continuar o contrato ou não”, continua a professora catedrática da Faculdade de Direito de Lisboa. E as diferentes durações de período experimental “aplicam esse raciocínio”.

O Código do Trabalho estabelece que, nos contratos por tempo indeterminado — aqui em causa –, o período experimental é de 90 dias para a generalidade dos trabalhadores; de 180 dias “para os trabalhadores que exerçam cargos de complexidade técnica, elevado grau de responsabilidade ou que pressuponham uma especial qualificação, bem como os que desempenhem funções de confiança” e de 240 dias nos cargos de direção ou quadro superior.

Ou seja, “justificam-se os vários prazos” tendo em conta a “função que a pessoa vai desempenhar” e não “o tipo de trabalhador”, explica a professora.

Na mesma linha, Luís Miguel Monteiro, sócio da MLGTS, também sublinha que “aquilo que explica a diferença de durações do período experimental são as diferentes funções”. E entende que a nova norma pode suscitar dúvidas.

Já António Monteiro Fernandes afirma que riscos de inconstitucionalidade existem sempre nestas matérias, mas, neste caso, o risco “é reduzido”. A norma parte de “uma legislação em que essas situações são tratadas de modo aparentemente discriminatório, uma vez que se permite, neste momento, a contratação a termo dessas pessoas mesmo para funções permanentes”, vinca o professor catedrático do ISCTE. Aliás, esta é uma regra que o Governo quer alterar — na proposta apresentada aos parceiros, o Governo elimina da lei a possibilidade de contratar a termo, mas para postos permanentes, jovens à procura de primeiro emprego e desempregados há mais de um ano, embora mantendo a norma para desempregados há mais de dois anos.

Ou seja, a preocupação mostrada antes pelo TC “é a de que se trate de legislação que agrave a insegurança no emprego”, diz o professor que esteve à frente da Comissão do Livro Branco das Relações Laborais. “Neste caso concreto, parece-me que esse argumento não funciona porque na realidade a situação de partida já é de insegurança no emprego”, sublinha. Para Monteiro Fernandes, as duas regras articulam-se.

Vieira da Silva já disse que é preciso contrariar a tendência de usar os contratos a prazo como período experimental, justificando assim o fim da “possibilidade de contratar a termo só porque se é jovem à procura do primeiro emprego”. Mas “também somos sensíveis à lógica de que, ambas as partes, quando estão a iniciar uma relação de trabalho ou quando estão a recuperar uma relação de trabalho, tenham um pouco mais de tempo que o trabalhador que saiu de uma empresa e que foi para outra”, adiantou ainda. “Estamos a combater a precariedade e a privilegiar os contratos sem termo”, sublinhou já.

Para Monteiro Fernandes, a medida é positiva, “de estímulo à contratação destas pessoas”. Já Luís Miguel Monteiro nota que, de facto, a lei permite hoje o recurso à contratação a termo como “medida social”, mas acrescenta que “o período experimental não é para promover o emprego”. Serve sim “para observar a outra parte, ver se serve ou não”. E “se assim é, o que deve determinar a diferente duração do período experimental não é aquilo que a pessoa é, mas aquilo que a pessoa faz”, defende. “Como sempre, para resolver um problema prático, estamos a utilizar uma medida que não se destinava a isso”, remata o advogado, que aponta para um “desvirtuar do período experimental”.

"Aquilo que explica a diferença de durações do período experimental são as diferentes funções.”

Luís Miguel Monteiro

Sócio da MLGTS

Em 2008, o TC chumbou o alargamento do período experimental para a generalidade dos trabalhadores fazendo referência aos princípios da segurança no emprego e da proporcionalidade. Para Maria do Rosário Palma Ramalho, a ideia de que pode existir “encapotadamente uma nova situação de despedimento arbitrário, sem justa causa” existe “aqui, mas é acrescida de uma outra: que é tratar diferentemente duas categorias de trabalhadores, aliás, particularmente vulneráveis, colocando-os numa situação de instabilidade contratual que não tem justificação prática, através de um instituto que não tem essa função, para contornar a limitação dos contratos de trabalho a termo”, frisa.

E mesmo que a nova norma não seja inconstitucional, “é bizarra porque nada tem a ver com a função do período experimental”, assinala.

"Neste caso concreto, parece-me que esse argumento não funciona porque na realidade a situação de partida já é de insegurança no emprego.”

António Monteiro Fernandes

Professor

No final da reunião de concertação social em que apresentou o alargamento do período experimental para grupos específicos, o ministro Vieira da Silva frisou que esta proposta “não é nada igual” à que foi avaliada pelo TC em 2008. Nessa altura, o que estava em causa era “uma generalização do período de 180 dias como período experimental”. Agora, “colocamos essa possibilidade apenas em duas situações”, frisou o ministro. Vieira da Silva recorda que este prazo já existe noutros casos e diz ser “razoável” a existência de “um período mais longo” também nestas situações.

Melhor ou pior?

Luís Miguel Monteiro diz que há duas perspetivas a ter em conta quanto aos efeitos práticos das medidas. “Uma é dizer que estes trabalhadores podiam ser contratados a termo” para postos permanentes “e que podiam ficar com vínculo precário durante 18 ou 24 meses” naquela condição, e que, agora, cai aquela norma e é apontado um período experimental de seis meses em contratos sem termo — portanto, esta segunda medida surge como favorável. Mas também pode haver outra perspetiva: nestes casos, “o contrato a termo vigorava no mínimo durante seis meses”, o que significa que “há aqui um período de estabilidade dentro da precariedade”; já “o período experimental permite que o contrato acabe a qualquer momento”.

Maria do Rosário Palma Ramalho entende que “esta solução, quando comparada com os contratos de trabalho a termo, é muitíssimo pior”. E aponta para o facto de o período experimental poder terminar a qualquer momento e sem direito a compensação.

"Esta solução, quando comparada com os contratos de trabalho a termo, é muitíssimo pior.”

Maria do Rosário Palma Ramalho

Professora

Em sentido inverso, Monteiro Fernandes nota que “o ponto de partida é um contrato sem termo”. Ainda que o período experimental seja “um bocadinho mais alargado”, o contrato pode “estabilizar-se”, diz. “Penso que é uma situação claramente mais saudável do que a de ser possível contratar a termo para funções permanentes”, conclui.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Período experimental: proposta do Governo corre novo risco de inconstitucionalidade?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião