Tem mais um dia para entregar o IRS. Prazo só acaba a 1 de junho

  • Lusa
  • 28 Maio 2018

Dado 31 de maio, as Finanças revelaram que o prazo para a entrega do IRS termina em 1 de junho.

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais anunciou que o prazo para a entrega do IRS termina em 1 de junho, dado 31 de maio ser feriado, e adiantou que quase cinco milhões de portugueses já entregaram as declarações.

António Mendonça Mendes falava à Lusa no final da sessão de abertura do 3.º Congresso Luso-Brasileiro de Auditores Fiscais e Aduaneiros, que decorre até terça-feira no Porto.

“O prazo acaba no dia 31 de maio, que é um dia feriado, e nos termos da lei os prazos que terminam em dia feriado passam para o primeiro dia útil seguinte. Por isso, de acordo com lei, o prazo acabará no dia 1 de junho”, precisou o governante.

"O prazo acaba no dia 31 de maio, que é um dia feriado, e nos termos da lei os prazos que terminam em dia feriado passam para o primeiro dia útil seguinte. Por isso, de acordo com lei, o prazo acabará no dia 1 de junho.”

António Mendonça Mendes

Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais

Afirmando-se “convencido de que no dia 1 de junho” o processo estará “completamente concluído”, António Mendonça Mendes acrescentou que “quase cinco milhões de portugueses já cumpriram a sua obrigação” de entrega da declaração do IRS, enquanto já foi feita “a liquidação de mais de 90% dessas mesmas declarações”.

Sobre o facto de o parlamento finlandês ter aprovado a proposta do Governo de acabar com o acordo fiscal com Portugal, o secretário de Estado confirmou manter-se “um contacto regular com as autoridades finlandesas”, admitindo ser essa “uma questão que tem sido conversada e que continuará a ser conversada”.

“Temos uma excelente relação com a Finlândia, uma relação que é muito profícua e continuamos a conversar”, acrescentou António Mendonça Mendes, declarando que “quando e se houver novidades” serão anunciadas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tem mais um dia para entregar o IRS. Prazo só acaba a 1 de junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião