Tranquilidade visada no cartel dos seguros

  • ECO
  • 28 Maio 2018

A companhia que integra as Seguradoras Unidas reconhece ser uma das seguradoras visadas na investigação da Autoridade da Concorrência sobre a concertação de preços no setor lançada em meados de 2017.

A Tranquilidade é um dos alvos visados no cartel dos seguros, processo de contraordenação que está a ser investigado pela Autoridade da Concorrência, avança o Jornal de Negócios (acesso pago).

O jornal cita informação contida no relatório e contas de 2017 da Seguradoras Unidas, grupo que resultou da integração da Açoreana, T-Vida e Logo na Tranquilidade, onde a entidade diz não acreditar que lhe seja imposta qualquer coima ao abrigo deste processo que foi tornado público em meados de 2017. Nessa altura foram feitas buscas aos escritórios de quatro seguradoras, no seguimento de suspeitas relativas a combinação de preços.

“Está em curso um processo contraordenacional aberto pela Autoridade da Concorrência relativo a alegadas práticas anticoncorrenciais no setor, processo esse que se encontra sob segredo de Justiça”, refere o relatório e contas do grupo segurador.

O mesmo documento diz ainda que “a empresa estima que não venha a ocorrer a aplicação de uma coima no referido processo pois tal não é antecipado pelos assessores jurídicos a acompanhar esta matéria”. É referido ainda que a companhia seguradora está a “colaborar plenamente com a Autoridade da Concorrência no referido processo”.

Contactada pelo Jornal de Negócios, a Seguradoras Unidas, detida pelo fundo americano Apollo, não respondeu sobre o tema: “O processo encontra-se em segredo de Justiça”, justificou. Também a Autoridade da Concorrência não deu resposta à questão se foram encontrados indícios relativos a mais empresas do setor do que as quatro inicialmente referidas.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tranquilidade visada no cartel dos seguros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião